Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Devin Townsend Project – “Deconstruction”


Devin Townsend é um dos músicos mais pirados e ousados de toda cena musical, com ideias como um álbum sobre uma espécie extraterrestre (Ziltoid the Omniscient) ou com músicas extremamente pesadas que não fazem muito sentido, ele ganhou muito respeito e uma legião de fãs graças a sua participação no álbum Sex & Religion de Steve Vai e de sua banda de Metal Extremo Strapping Young Lad. Porém o caminho que trouxe maior destaque foi sua carreira solo que mistura um pouco de todos os gêneros que Devin já tocou e também do Rock Progressivo.

Em meados de 2008, Devin decide montar um novo projeto paralelo já sem seu medonho cabelo e também sem a ajuda de drogas. O projeto é constituído por 4 álbuns, cada um seguindo uma linha bem diferente dos outros, e eis que a terceira parte é lançada: “Deconstruction”. Essa é sem dúvida a mais pesada e talvez a melhor, não apenas desse projeto mas de toda sua carreira.

Épico, sarcástico, apocalíptico. Esses são adjetivos que resumem esta obra conceitual, a história reforça isso: “Um homem que vai para o inferno e encontra o demônio. O coisa ruim promete oferecer um vasto universo e o presenteia com um Cheeseburger, porém, sendo vegetariano, o homem não pode comer o Cheeseburger tornando sua viagem inútil”. A história já fala por si o que é esperado. Mais detalhes, só ouvindo o álbum mesmo.

Como se não fosse suficiente, Devin ainda convida um time de convidados pra lá de respeitável com nomes como Mikael Åkerfeldt (Opeth), Joe Duplantier (Gojira), Greg Puciato (The Dillinger Escape Plan), Floor Jansen (ex-After Forever) e muitos outros, cada um para fazer uma parte em uma música. Sabendo de tudo isso, agora colocamos o disco para tocar: a primeira faixa “Praise the Lowered” começa com aquele típico clima calmo até estourar num excesso de raiva e gritaria. Preparar os ouvidos a partir daqui é essencial porque a festa só está começando. “Stand” já mostra suas caras com grande poder, os guturais de Akerfeldt a reforçam ainda mais fazendo-a parecer não menos que sinistra, é uma faixa que merece bastante atenção para entender o conceito do álbum.

“Juular” contém uma duração mais curta, mas é a música que inicia o grande uso de orquestrações e muitos coros pelo álbum todo, sempre com muito peso, essa mistura de extremidade sinfônica no refrão a deixou totalmente insana, é a música para cantar junto e arriscar uns guturais também! “Planet of The Aples” começa seca, o destaque fica para a interpretação de Devin que transparece muito bem os sentimentos que ele quer passar. Em seus 11 minutos ela dá passagem para partes mais calmas seguidas novamente por muita fúria na voz de Tommy Giles Rogers (Between the Buried and Me). O fim dela consegue mesclar todo o clima já executado resultando numa faixa épica!

“Sumeria” se inicia se remetendo aos coros em excesso. É uma das faixas mais interessantes principamente pela participação de Joe Duplantier, aliás vale ressaltar que apesar dos vocalistas participarem pouco, os trechos em que eles entram reforçam e muito as músicas. Ponto para Devin que soube usá-los muito bem. E quando não se espera nada mais insano “The Mighty Masturbator” (Isso mesmo!) te impressiona de uma forma ou outra. 16 minutos de pura loucura e genialidade, muita atenção em sua letra também. Uma faixa quase impossível de explicar em palavras, se prepare porque você irá ouvir tudo o que se espera e não se espera aqui.

Sem tempo para descansos, “Pandemic” chega com força total, muito energética, lembra bastante os tempos de Strapping Young Lad incrementados com o vocal feminino de Floor Jansen. A faixa título, outro destaque absoluto do álbum narra a conversa do demônio com o protagonista oferecendo um grande e duplo Cheeseburger! Tudo isso com um toque de muito humor. Com esta faixa é difícil de dizer qual a música mais insana deste álbum. É também difícil de acreditar o que Devin conseguiu construir em “Deconstruction”. Ao grito de “Let’s finish this!!” “Poltergeist” finaliza com toda a fúria o que foi o álbum todo.

Caótico. Caótico é o adjetivo que melhor representa “Deconstruction”. A impressão que se fica após ouvir esse álbum é que você acabou de ouvir a maior porradaria da sua vida. Mas ele é muito mais que isso. É um grande candidato ao melhor do ano. É extremamente recomendado para todo mundo que gosta de Metal ou Progressivo. É isso.

Neste mesmo ano o quarto e último álbum da série The Devin Townsend Project será lançado. “Ghost” vem com a promessa de um som muito mais calmo e relaxante. Nada mais justo depois do caótico “Deconstruction”!

1. Praise the Lowered
2. Stand
3. Juular
4. Planet of the Apes
5. Sumeria
6. The Mighty Masturbator
7. Pandemic
8. Deconstruction
9. Poltergeist

– Devin Townsend – vocals, guitars, bass, keyboards, programming
– Ryan Van Poederooyen – drums on tracks 1, 2, 4 and 6
– Dirk Verbeuren (Soilwork) – drums on tracks 3, 5, 6, 7, 8 and 9
– Paul Kuhr (November’s Doom) – vocals on “Praise the Lowered”
– Mikael Åkerfeldt (Opeth, Bloodbath) – vocals on “Stand”
– Ihsahn (ex-Emperor) – vocals on “Juular”
– Tommy Giles Rogers (Between the Buried and Me) – vocals on “Planet of the Apes”
– Joe Duplantier (Gojira, ex-Cavalera Conspiracy) – vocals on “Sumeria”
– Paul Masvidal (ex-Death, Cynic) – vocals on “Sumeria”
– Greg Puciato (The Dillinger Escape Plan) – vocals on “The Mighty Masturbator”
– Floor Jansen (ex-After Forever, ReVamp) – vocals on “Pandemic”
– Oderus Urungus (Gwar) – vocals on “Deconstruction”
– Fredrik Thordendal (Meshuggah) – lead guitar on “Deconstruction”

Nota: 9,5

Deconstruction Devin Townsend Project

Tracklist

Lineup

Andrew Rosario

2 respostas para “Devin Townsend Project – “Deconstruction””

  1. Mr. White disse:

    Devin Townsend é um gênio com certeza!!!! E esse artigo tambem ficou excelente!!!! As músicas do Devin conseguem tocar na alma, fazem você viajar completamente!

  2. […] postado um review do músico canadense Devin Townsend ainda neste ano, intitulado Deconstruction. (Veja aqui a review) Um álbum que quase ultrapassava o limite do caótico. Progressivo mas que não se perdia o peso […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *