Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Devin Townsend Project – “Ghost”


Pra quem está acostumado a acompanhar os reviews dos lançamentos da sessão Neo Partus do Progcast já deve ter notado que já foi postado um review do músico canadense Devin Townsend ainda neste ano, intitulado Deconstruction. (Veja aqui a review) Um álbum que quase ultrapassava o limite do caótico. Progressivo mas que não se perdia o peso em momento algum. Meses depois é lançado “Ghost”. Quarta e última parte do projeto “Devin Townsend Project”, onde Devin começou a compor sem o uso da bebida e das drogas. Mas e agora que esse projeto terminou? Han??

Curiosidades a parte, temos aqui a parte inversa do apocalíptico “Deconstruction”. Calmo, sereno, relaxante, uma viajem confortante pelo disco todo. Poucas são as surpresas de “Ghost”, até porque não seriam necessárias no rótulo que ele se encaixa, é um som simplesmente “Ambiente”. Não há guitarras com distorção, bateria pesada e muito menos guturais. Sintetizadores, violões acústicos, flautas e sussuros, é isso o que você ouvirá em “Ghost”.

“Fly” já dá um bom exemplo para os mais curiosos como será toda essa experiência. A capacidade de criar música de qualidade em repetições infinitas. “Heart Baby” logo nos dá toda a degustação de uma deliciosa música acústica que nos pega de primeira. Partimos para “Feather”, essa sim podemos dizer que é uma verdadeira viajem. Ao longo de seus 11 minutos de camadas de piano, muitas flautas e uma atmosfera que lembra muito “My Bloody Valentine”, os vocais femininos de Katrina Natale dão toda a sutileza que precisamos para entrar num estado “Zen”.

“Kawaii” é uma breve, bonita e acústica faixa que introduz à faixa título, um dos High Moments do disco. Uma passagem inesperada nos faz então entrar em total espírito de alegria, o som que você precisava para esquecer de tudo e saber que agora nada importa. Sentimento único! A boa notícia é que logo em seguida “Blackberry” traz mais dessa magia. Agora o ambient se une ao Folk, a voz de Devin se une a de Katrina e temos então outro momento de pura felicidade.

“Monsoon” corta todo esse clima alegre para uma viajem das mais profundas comandada pela flauta. “Dark Matters” é muito parecida com as músicas da fase antiga do “Porcupine Tree”, engraçado que não só pelo som como pelo nome também! Já “Texada” parece mais uma versão remixada de alguma música pesada do próprio Devin. Até este ponto é incrível como o álbum todo nos prende e não solta em momento algum. As faixas são interligadas uma a outra, e isso reforça ainda mais a vontade de escutá-lo até o fim.

A sensação do descanso com “Seams” e “Infinite Ocean” e a finalização com “As You Were”, uma levada cuidadosa de bateria com um riff simples de guitarra dão o corpo para a música, e assim termina essa viajem saída da mente de Devin Townsend, o mesmo músico totalmente louco que fundou a banda de metal extremo “Strapping Young Lad” e fez outros trabalhos solo pesadíssimos. Um disco muito importante que mostra toda a personalidade e versatilidade criando um trabalho 100% ambiente. É por isso que digo sem menor dúvida que Devin Townsend é um dos grandes músicos dos últimos tempos.

180055

Ghost Devin Townsend Project

1234

Tracklist

1. Fly
2. Heart Baby
3. Feather
4. Kawaii
5. Ghost
6. Blackberry
7. Monsoon
8. Dark Matters
9. Texada
10. Seams
11. Infinite Ocean
12. As You Were

Lineup

Devin Townsend - Vocal / Guitarra / Baixo / Sintetizador / Banjo
Katrina Natale - Vocal
Dave Young - Teclado / Sintetizador / Bandolim
Mike St. Jean - Bateria
Andrew Rosario

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *