Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Vintersorg – “Jordpuls”


Vintersorg, para quem não conhece, é o projeto de Andreas Hedlund (e que tomou o nome da banda para si próprio) e Mattias Marklund, dois suecos que tinham e ainda têm o mesmo objetivo: elevar o Black Metal ao seu limite, experimentando a união com os mais diversos estilos. Depois de um início mais Folk e Viking, a banda passou pelo Avant-Garde e hoje reúne em uma banda só algo inclassificável.

Depois do ótimo “Solens Rötter”, primeiro disco cantando inteiramente em sueco desde “Ödemarkens Son”, que resgatou algumas da influências antigas, a dupla volta com “Jordpuls” (que em português significa o pulso/a pulsação da Terra), aproveitando o hiato dos trilhões de outros projetos que Hedlund tem.

Produzido pelo próprio, que também é responsável por todos os vocais, guitarras bases, sintetizadores, baixo, teclados e até a programação da bateria, restando ao comparsa Mattias Marklund as guitarras. Aliás, um ponto que pode atrapalhar a audição de alguns mais perfeccionistas é a bateria programada. Não que seja ruim ou mal feita, mas a questão é que é perceptível, e se comparada com álbuns como “Visions From The Spiral Generator”, por exemplo, onde o grande Asgeir Mickelson (parceiro do Borknagar) tocou, fica mais evidente ainda (Saber disso me deixou incomodado em algumas partes e como vingança pessoal estou contando para vocês também).

“Världsalltets Fanfar” (vou colocar todas as traduções dos títulos no final, fiquem tranqüilos) abre o disco de forma inesperada: um Black Metal bem Folk como um tapa na cara. Mas o que realmente impressiona é o trabalho orquestral muitíssimo bem pensado e que trabalha de forma essencial para a música. As diversas variações da música, e os belíssimos arranjos vocais também são um destaque a parte, que ditam o disco inteiro. E dá-lhe mais orquestra em “Klippor Och Skär”, cuja melodia é o carro chefe do refrão, que insiste em grudar por bastante tempo na cabeça, enquanto “Till Dånet Av Forsar Och Fall” é basicamente uma Power-ballad Folk Metal. “Mörk Nebulosa” é uma das gratas surpresas do disco, com seu andamento diversificado, com ares de musical (sim, aquelas peças de teatro), por causa dos vários vocais trabalhando junto, com um resultado perfeito (sobrando tempo ainda para partes bem Black Metal).

E as vozes bem trabalhadas voltam em “Stjärndyrkan” e nos belos arranjos de “Skogen Sover”, onde brotam as influências mais Prog dos caras (aliás, o próprio Andreas Hedlund tem um projeto de Prog Rock clássico chamado Waterclime). “Vindögat”, em seguida flerta mais com o Avat-Garde que bandas como Arcturus faziam, mesclando vocais teatrais com música extrema, chegando a lembrar o Borknagar do álbum “Epic”, basicamente pelo timbre dos instrumentos, fator que se repete em “Palissader”, mas desta vez com uma veia Folk fortíssima. O trabalho se encerra com “Eld Och Lågor”, uma ótima balada, bem tranqüila, ótima para se ouvir olhando para o nada.

O Vintersorg é uma excelente banda para quem gosta de intervenções experimentais na música extrema e também para quem gosta de intervenções extremas em bandas standard, principalmente se o lado mais Folk da coisa agrada, pois nesse disco em especial, tem muito, mas muito mesmo! É interessante a experiência também de ouvir um disco não cantado em inglês, o que pode abrir os olhos para novas bandas e novos estilos. Não é o melhor álbum da dupla, mas com certeza se encontra entre os grandes destaques de 2011.

Só espero que o Borknagar não demore para lançar mais álbuns.

01. Världsalltets Fanfar (Fanfarra do Universo)
02. Klippor Och Skär (Penhascos e Escolhos)
03. Till Dånet Av Forsar Och Fall (Ao Rugido de Rios e Cachoeiras)
04. Mörk Nebulosa (Nebulosa Negra)
05. Stjärndyrkan (Cultuar as Estrelas)
06. Skogen Sover (A Floresta Está Dormindo)
07. Vindögat (O Olho do Vento)
08. Palissader (Paliçada)
09. Eld Och Lågor (Fogo e Chamas)

Nota 7

Vintersorg – “Jordpuls”

Tracklist

Lineup

Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *