Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Uriah Heep – “Into The Wild”


O Uriah Heep sempre foi uma das grandes bandas da década de 70, com o seu Hard Rock mesclado ao Rock Progressivo, apostando em temas sempre fantasiosos e longe das questões mundanas que 90% das bandas pregavam na época. Porém, sempre acabaram por ficar a sombra de outras bandas inglesas naqueles anos, atingindo basicamente um status de Cult no cenário. Décadas mais tarde, não são poucas as bandas que indicam o Uriah Heep como algumas de suas maiores influências, principalmente as de NWOBHM e de Power Metal alemãs, nos anos 80.

Bom, 40 anos mais tarde, o único membro original na ativa é o guitarrista e compositor Mick Box, que parece ter encontrado um line-up extremamente equilibrado com o baterista Russell Gilbrook, o baixista Trevor Bolder, o tecladista Phil Lanzon e o grande vocalista Bernie Shaw. Essa formação está junta basicamente desde 1986, quando ainda contava com o lendário Lee Kerslake (que sauí em 2007).

“Into The Wild” é o 23º álbum de estúdio da banda, produzido por Mike Paxman, gerou um certo frisson entre a crítica musical quando lançado, principalmente pelo approach extremo com a sonoridade que os definiu na década de 70, considerado por muitos como o retorno do Uriah Heep ao seu ápice naquela época.

A ótima “Nail On The Head” abre o disco com um Hard que soa mais como um elo perdido entre a década de 70 e 80. E o requinte está exatamente na simplicidade com que a música é conduzida, sem cair na repetição. Mick Box com seus solos inspirados e Bernie Shaw com o já característico mostram que o Uriah Heep é uma das bandas que mais bem envelheceram (afinal, já são mais de 40 anos). O ritmo do disco sobe com a veloz “I Can See You”, mostrando mais uma vez a plena forma que a banda está, principalmente se considerarmos que muitos “dinossauros” do estilo vão cada vez mais deixando o seu som um pouco mais lento e leve (vide o Deep Purple dos últimos anos). E o mesmo acontece com a faixa título, que, impressionantemente lembra as músicas mais curtas e agitadas do Iron Maiden (!) com Blaze Bayley nos vocais, principalmente pelo estilo que Shaw usa voz nessa. Enquanto isso, a próxima, “Money Talk” resgata mais do Hard/Blues Rock setentista, em partes pelas ótimas dobradinhas de guitarra e hammond e “I’m Ready” pode ser considerada um clássico instantâneo da banda, com as já famosas letras positivas, uma música constantemente pra cima, com mudanças de andamento perfeitamente encaixadas.

A belíssima (mas belíssima MESMO) “Trail Of Diamonds” é a balada do disco. Simples, no ritmo perfeito e uma letra que consegue se encaixar muito bem no restante do disco e remetendo novamente aos álbuns clássicos da década de 70. Em seguida, “Southern Star” é mais uma música candidata a levantar a galera nos shows, com o seu riff cantante, uma mistura de Hard Rock e Heavy Metal bem ao estilo que apenas o Uriah Heep sabe fazer, assim como a próxima, “Believe”. Por outro lado, “Lost” traz sutis influências de música oriental em meio aos seus riffs, mas acaba dando uma certa diminuída no ritmo do disco, que vinha alucinante desde a primeira faixa. Mas graças a “T-Bird Angel”, tudo volta ao normal, uma música que é impossível de ser melhor definida como uma que consegue resgatar aquele sentimento de inocência com que algumas bandas faziam sua música há 40 anos e hoje praticamente não encontramos mais. “Kiss Of Freedom” encerra o disco com um clima épico, com uma ótima letra (sempre positiva!) e que consegue cumprir perfeitamente o seu objetivo, levando o ouvinte a se imaginar em lugares inóspitos, desertos e afastados, ajudado pela própria arte do disco.

Apesar das várias mudanças de formação, idas e vindas, o Uriah Heep é uma das poucas bandas que consegue passar da sua quarta década de existência sempre com algum trabalho relevante no mundo musical. Apesar de Mick Box e Phil Lanzon serem as mentes criativas a frente do grupo, a formação junta já desde 2007 demonstra entrosamento e um talento capazes de manter o nível da banda no mesmo que na década de 70. “Into The Wild” é muito mais do que uma ode do Uriah Heep a sua própria discografia, prova que, assim como o Lynyrd Skynyrd, são um conjunto que ainda tem muito material para trazer aos fãs, acima de qualquer modinha passageira.

01. Nail On The Head
02. I Can See You
03. Into The Wild
04. Money Tal
05. I’m Ready
06. Trail Of Diamonds
07. Southern Star
08. Believe
09. Lost
10. T-Bird Angel
11. Kiss Of Freedom

Nota 9

Lançamento Uriah Heep –“Into The Wild” Hellion Records.

Para acessar a loja virtual e comprar o disco, clique no banner abaixo.

Into The Wild Uriah Heep

Tracklist

Lineup

Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *