Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Yes – “Fly From Here”


Quando se trata de um dos gigantes do rock progressivo (talvez o que mais colaborou para tornar o que o gênero é hoje) é complicado e delicado fazer qualquer tipo de crítica. Mas a verdade é que essa grande lenda, depois de 10 anos desde seu último disco (Magnification) volta novamente para os estúdios para gravar “Fly From Here”. Agora temos apenas dois (Ou três, se considerarmos Alan White) remanescentes da formação que deixou o mundo inteiro impressionado com tanta habilidade e criatividade musical, Steve Howe e Chris Squire. Jon Anderson deixou a banda, para seu lugar foi contratado Trevor Horn, sendo que sua voz é extremamente semelhante a de Anderson, o que conta como um ponto positivo.

Se há uma coisa que não pode deixar passar batida é a Artwork do álbum. Há quanto tempo não vemos uma arte nesse estilo retrô tão bem caprichada, sem contar nos detalhes adicionais encontradas no Box Set. É sem dúvida um incentivo a mais para poder dar uma chance a esse trabalho.

Membros antigos e membros novos com o espírito dos antigos, capa no maior estilo antigo, e o som? O que mais importa, está em estilo e qualidade antiga? Na verdade o maior erro que o ouvinte pode cometer é querer comparar, aliás é quase inevitável não querer fazer qualquer tipo de comparação. O nome YES pesa e provavelmente irá pesar para a maioria das pessoas em “Fly From Here”.

A esperança é enorme quando nos deparamos para o set-list e encontramos a música “Fly From Here”, de duração tão grande, será uma nova Close to The Edge ou Gates of Delirium? Infelizmente não foi essa a intenção do Yes, esse talvez-épico é dividido em partes, um tanto quanto normal, até porque a maioria dos épicos são também assim, mas a diferença é que aqui essas partes funcionam como faixas separadas e não como uma só, ou seja, se elas constatassem apenas com seus nomes ninguém nem iria perceber.

Mas não é por causa disso que vamos desvalorizar a música totalmente, o problema é que o Yes mexeu com a cabeça do fã, provavelmente se fosse uma outra banda qualquer isso não aconteceria. Pegando por partes separadas, temos a primeira “We Can Fly” com um refrão de fácil assimilação e até bem acessível. Não, não é uma música pop, a essência do Yes antigo está aqui, mas não é a mesma coisa, os músicos parecem cansados, por mais que pareça que houve um esforço enorme por parte deles, essa é a impressão que fica.

Podemos mencionar os destaques, é claro, “Sad Night At The Airfield” é uma música maravilhosa, onde o toque inconfundível de Steve Howe aparece bem, “Madman At The Screens” conta com uma ótima atuação de todos os membros, e a última parte da suíte “We Can Fly (reprise)” também tem uma ideia interessante. Já nas outras músicas temos “The Man You Always Wanted Me To Be” com Chris Squire nos vocais principais.

A banda quis em vários momentos resgatar o passado, alguns com sucesso, outros nem tanto, parece que eles meio que se sentiram perdidos com isso, é uma experiência um tanto estranha, mas válida. Não há muitos destaques nas outras músicas, com excessão a que finaliza o álbum: “Into the Storm”, essa o Yes acertou a mão, com uma vibe bem progressiva, não talvez como um “Fragile”, mas sim como um “Drama”.

É uma polêmica enorme quando uma banda do patamar do Yes lança algo inédito, controvérsias rolam soltas, muitos irão rasgar elogios, outros não exitarão em meter a lenha, afirmar que a banda já morreu há muito tempo. Independente do que as pessoas acham e entendem, a banda e a marca YES continua a ativa e em meu ponto de vista “Fly From Here” é um grande passo para que no futuro saia um trabalho gigante, não do nível dos clássicos, mas o suficiente para agradar e surpreender a maioria, pois habilidade e competência, isso eles têm de sobra.

Fly From Here Yes

1234

Tracklist

1. Fly From Here - Overture
2. Fly From Here - Pt I - We Can Fly
3. Fly From Here - Pt II - Sad Night At The Airfield
4. Fly From Here - Pt III - Madman At The Screens
5. Fly From Here - Pt IV - Bumpy Ride
6. Fly From Here - Pt V - We Can Fly (reprise)
7. The Man You Always Wanted Me To Be
8. Life On A Film Set
9. Hour Of Need
10. Solitaire
11. Into The Storm

Lineup

Chris Squire - Baixo
Steve Howe - Guitarra
Alan White - Bateria
Geoff Downes - Teclado
Benoit David - Vocal
Trevor Horn - Vocal
Andrew Rosario

Uma resposta para “Yes – “Fly From Here””

  1. OComentador disse:

    O Trevor Horn não foi contratado como substituto do Jon Anderson. Ele é o produtor do disco, assim como foi do 90125, maior sucesso comercial da banda. O vocalista com a voz extremamente semelhante à do Anderson, é Benoît David, canadense que cantava na banda cover "Close to the Edge".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *