Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

URIAH HEEP!!! II


1975 – Return To Fantasy

Mais um dos álbuns que figuram entre os grandes clássicos da banda, em partes pela presença de John Wetton no baixo e pelos singles “Prima Donna” e a faixa título, talvez explicando por que é um dos mais bem vendidos da carreira. A capa, apesar de não ser um primor artístico, tem algumas mensagens que podem ser identificadas: a bailarina está saltando como se estivesse alçando vôo, ao passo que a sua sombra a transforma em um anjo/fênix (sim, vamos longe!), estando aí o “retorno a fantasia”.

 

1976 – High And Mighty

Na cabeça de muitos fãs, esse disco é um fracasso. Além do direcionamento um pouco mais comercial e as letras muito diferentes (mundanas, deixando de lado a veia fantástica), a capa é no mínimo terrível e sem criatividade nenhuma; Sério… uma arma/avião?

 

1977 – Firefly

Um disco que marcou a drástica mudança no line-up, com a saída de David Byron (na verdade ele foi chutado devido a problemas com o álcool), e a entrada de John Lawton e o baixista Trevor Bolder (que continua até hoje). A capa de Martin White traz mais alguns daqueles absurdos ingleses que é melhor ignorarmos para manter a sanidade, como um arco íris durante a noite. Ok, pode se argumentar que na verdade ele está sendo projetado pela pessoa meditando no meio do mar, para servir de guia para o garoto montado em um vagalume gigante brilhante. Muito bonito, muito romântico, muito efeito de alucinógenos na hora.

 

1977 – Innocent Victim

Fala sério, quando você ouve a expressão “uma vítima inocente”, uma cobra babando sangue não é exatamente a primeira imagem a vir na cabeça, certo? A única relevância (ou não, pensando bem) é que os olhos da cobra na verdade são os olhos do baterista Lee Kerslake. É…

 

1978 – Fallen Angel

Apesar do nome e da capa sugestiva, o Uriah Heep estava quase chegando ao ápice do som comercial nesse disco, com canções melosas sobre amor (incluindo aí o mega hit “Come Back To Me”). Fora isso, é a capa mais “Uriah Heep” em tempos, graças ao trabalho do artista Chris Achilleos, que licensiou a imagem para os caras. Aparentemente, na imagem original o mamilo da feiticeira não estava para fora e nunca foi dito se essa alteração foi autorizada e quem a fez.

 

1980 – Conquest

Apesar do que sugere o título, a década de 80 começou com um dos períodos mais conturbados para o Uriah Heep, trocando novamente de vocalista, além da saída de Lee Kerslake e Ken Hensley também começando a dar problema. O resultado disso foi “Conquest”, considerado por muitos como o PIOR disco da carreira dos ingleses. Até então talvez tenha sido novidade, mas a capa é baseada naquela famosona de Iwo Jima (que foi tirada duas vezes, só por causa do marketing americano), uma homenagem que já foi feita por meio mundo em HQ’s, CDs, filmes, etc.

 

1982 – Abominog

Com a saída de Hensley e a responsabilidade caindo sobre o guitarrista Mick Box e Lee Kerslake (que voltou depois de gravar o clássico “Blizzard Of Ozz” – precisa falar de quem?), trazendo junto o baixista Bob Daisley, o approach da banda foi muito mais em direção as guitarras, colocando no mercando um grande álbum de Heavy Metal, que conseguiu atrair os holofotes para o Uriah Heep de novo. Além disso, a sua capa, com um demônio tipicamente dos anos 80 é um marco na história do Rock.

 

1983 – Head First

O sucessor de “Abominog”, dessa vez com contribuição de todos os membros, acabou sofrendo um pouco na parte da promoção, já que a sua distribuidora simplesmente faliu logo depois do lançamento, atraindo pouca atenção para o trabalho. A capa é tipicamente anos 80, mas ainda mantendo algumas coisas desconexas da década passada: um lagarto ali com trollface, uma guilhotina no meio do deserto, e o logo da banda, cujo “H” também foi transformado no objeto de execução. Coisas de décadas atrás que não funcionariam hoje.

Vamos lá, que ainda tem mais 8 álbuns!

Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *