Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Textures – “Dualism”


Uma das bandas que mais consegue equilibrar efetivamente o peso da nova geração do Heavy Metal com a técnica e a complexidade de tempos passados, os holandeses do Textures atraíram a atenção com os seus álbuns “Polars” e “Drawing Circles”, mesclando Death Metal e Metalcore com boas doses de Rock/Metal Progressivo, criando desde o início uma identidade bem característica e passos a frente da mesmice que os “core”s da vida estavam se tornando.

Após assinar com a Nuclear Blast, lançar o álbum “Silhouettes” e excursionar com outros grandes nomes, a banda sofreu duas baixas no line-up: o vocalista Eric Kalsbeek e o tecladista Richard Rietdijk abandonaram o barco, dando o lugar para a entrada de Daniel de jongh e Uri Dijk, antes do início das gravações de “Dualism”, no Split Second Sound Studio, na Holanda, onde foi produzido pelo próprio guitarrista Jochem Jacobs.

Diversas mudanças de andamento já impressionam no carro chefe “Arms Of The Sea”, mostrando já de cara um Textures um pouco diferente dos trabalhos anteriores, um pouco mais melódico, cadenciado e, acreditem ou não, até mais técnico, com passagens que lembram um pouco de longe, um hibrido Metalcore entre Mastodon e Meshuggah. A voz do estreante Daniel de Jongh assume muito bem o difícil posto deixado por Eric Kalsbeek, e a versatilidade do sujeito é muito bem explorada praticamente no álbum inteiro. “Black Horses Stampede” traz mais boas doses de Mastodon (seria uma forte influencia dos holandeses?), dessa vez de forma mais direta, uma música com um tempo extremamente complexo e passagens bem melódicas que roubam a cena, assim como “Reaching Home”, uma das poucas músicas cantadas inteiramente com vocais limpos, e sensacional, diga-se de passagem. Em seguida, eles resgatam um pouco da veia mais Metalcore em “Sanguine Draws The Oath”, ainda que bem ao estilo próprio da banda, mais técnico, quebrado e uma melodia esquisita, que se repete no puro Prog Metal de “Consonant Hemispheres”, música que vai do atmosférico ao peso cadenciado naturalmente, sendo um dos grandes destaques do álbum. E por falar em progressivo, nada mais do que a instrumental “Burning The Midnight Oil”, onde a banda explora várias idéias diferentes em cima de uma única linha instrumental que serve de guia para a música inteira, em mais um belíssimo trabalho.

“Singularity”, a próxima música, pode ser considerada um highlight da carreira da banda: uma música complexa, heterogênea, bem montada, com mudanças e evolução naturais nos quase sete minutos, enquanto mais sopros secos de algo que fica entre Meshuggah e Fear Factory aparecem em “Minor Earth, Major Skies” e o Metalcore mais caótico aparece em “Stoic Resignation” e as suas bonitas partes mais melódicas que soam mais como interlúdios no meio da música. A curta “Foreclosure”, aliás (“curta”, dura 3 minutos), também é uma espécie de interlúdio semi-instrumental, que cria toda a ambientação para a última música “Sketches From A Motionless Statue”, possivelmente aquela que exige estar totalmente dentro da idéia da banda para ser compreendida, e mesmo assim, são necessárias diversas audições até conseguir absorver cada parte e como elas se relacionam.

O Textures mostra com “Dualism” que ainda se mantém como uma das bandas mais ascendentes do Metal atual, sempre injetando alguns toques novos na sua música, que por si só sempre foi complexa e fora dos padrões. Os elementos mais melódicos que eles estão explorando agora parece ser uma ótima tendência a seguir nos próximos lançamentos, ainda mais com a entrada do vocalista Jongh, que se mostra bem a vontade na hora de encaixar a voz nas músicas cada vez mais versáteis. Infelizmente ainda um tanto quanto desconhecidos do grande público, mas a mistura de Death, Thrash, Metalcore e Progressivo que esses holandeses fazem tem tudo pra se tornar um dos maiores nomes da música em um futuro próximo. Afinal de contas, “Dualism” é mais um passo largo, e um dos grandes trabalhos de 2011.

Dualism Textures

12345

Tracklist

01. Arms Of The Sea
02. Black Horses Stampede
03. Reaching Home
04. Sanguine Draws The Oath
05. Consonant Hemispheres
06. Burning The Midnight Oil
07. Singularity
08. Minor Earth, Major Skies
09. Stoic Resignation
10. Foreclosure
11. Sketches From A Motionless Statue

Lineup

Daniel de Jongh – Vocal
Jochem Jacobs – Guitarra
Bart Hennephof – Guitarra
Remko Tielemans – Baixo
Stef Broks – Bateria
Uri Dijk – Teclado
Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *