Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Psychotic Eyes – “I Only Smile Behind The Mask”


Depois de mais de 11 anos procurando seu espaço no underground extremo brasileiro, o Psychotic Eyes chega ao seu segundo álbum “I Only Smile Behind The Mask”, 4 depois do debut auto-intitulado, dando continuidade ao Technical Death Metal vigoroso, dinâmico e com toques melódicos e progressivos na sua estrutura.

De acordo com a banda, nesse novo disco eles lidam com as desgraças da vida, a morte, a separação, decisões, temas mais subjetivos, mostrando possivelmente uma das melhores coleções líricas em um álbum do estilo. Gravado em estúdios em Campinas e Guarulhos, o trabalho foi mixado e masterizado pelo guitarrista Jean François Dagenais, da lenda canadense Kataklysm e encontra-se disponível para download no site oficial da banda.

“Throwing Into Chaos” tem, definitivamente, um dos melhores riffs para se abrir um álbum do estilo: rápido, técnico, melódico e agressivo ao mesmo tempo, uma fórmula aplicada de forma admirável. A complexidade instrumental em nenhum momento soa forçada ou exibicionista, muito pelo contrário, aliás, funciona bem equilibrada com os ótimos vocais de Dimitri Brand e com a letra. “Welcome Fatality”, em seguida beira facilmente o Thrash Metal (sopros de Kreator ou é só impressão?), graças aos riffs ótimos para deslocar algumas vértebras, também presentes em “Dying Grief”, mais cadenciada e melódica, mas ainda dentro da proposta e da identidade que a banda já criou. Aliás, “Life” é mais uma prova do dinamismo do Psychotic Eyes, com passagens que caminham facilmente entre as harmonias do MeloDeath e a atmosfera mórbida do Doom Metal.

A faixa título, em moldes um pouco mais clássico estampa de vez na cara do ouvinte (que a essa altura ou está completamente hipnotizado pelo som ou já deslocou o pescoço) a influência mais do que óbvio do Death de Chuck Schuldiner. Em alguns momentos chega a soar incomodamente parecido, o que de forma alguma é um ponto negativo, afinal de contas, estamos falando dos pais de toda uma vertente, certo? Evidentemente que sim, e “The Humachine” transporta diretamente para o final da década de 80 / começo da de 90, o estilo ainda em formação e andando de mãos dadas com outros estilos mais extremos da época. “The Girl” encerra o álbum, uma versão mais soturna dos primeiros embriões do MeloDeath, deixando uma sensação esquisita, de tão carregada que o clima não apenas dessa faixa, mas do disco no geral.

Definitivamente um dos melhores álbuns do estilo lançados por uma banda nacional nos últimos tempos, o Psychotic Eyes ainda não tem nem uma porcentagem do reconhecimento merecido. Todo esse tempo na dura batalha do underground parecem ser uma injeção de ânimo e vontade para sempre seguir em frente e cada vez entregar mais músicas de qualidade. Admirável, aliás, como a banda consegue explorar os mais diversos estilos dentro de estilos e criar a sua identidade musical única, dando um passo a frente de muitas bandas que estão apostando no lado mais técnico do Death Metal (no Brasil temos presenciado várias surgindo) e um passo mais perto de sorrir sem ser apenas atrás da máscara (perdoem esse último trocadilho).

01. Throwing Into Chaos
02. Welcome Fatality
03. Dying Grief
04. Life
05. I Only Smile Behind The Mask
06. The Humachine
07. The Girl

Lineup:

Dimitri Brandi – Vocal / Guitarra
Alexandre Tamarossi – Bateria
Douglas Gatuso – Baixo

Nota 9

Psychotic Eyes

I Only Smile Behind The Mask Psychotic Eyes

Tracklist

Lineup

Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Uma resposta para “Psychotic Eyes – “I Only Smile Behind The Mask””

  1. Não tenho palavras para agradecer a resenha tão elogiosa! Só tenho a parabenizar o ProgCast pelo excelente trabalho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *