Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Orange Goblin – “A Eulogy For The Damned”


Formado em um distante 1995 ainda sob o nome de Our Haunted Kingdom, o Orange Goblin é uma das bandas mais Cult do cenário Stoner/Doom atual e vem se tornando referência em um cenário aonde resgatar a sonoridade dos anos 70 está em alta.

A remodelagem no som pela qual esses ingleses tem passado desde o álbum “Coup de Grace” deu uma revigorada no seu som, tornando-o ainda mais dinâmico, sujo e letárgico, e vem evoluindo incrivelmente com “A Eulogy For The Damned”, sétimo álbum da carreira, via Candlelight Records.

Com uma produção incrível e o clima do disco lá em cima “Red Tide Rising” tem um crescendo muito bem construído ao longo dos seus quatro minutos de duração, já hipnotizando o ouvinte com os riffs Stoner rápidos e alguns toques psicodélicos, enquanto “Stand For Something” vem com uma pegada mais simples, um Rock n’ Roll sem firulas e bem melódico. Em “Acid Trial” os riffs bem grooveados novamente roubam a cena, com passagens de notas tipicamente Bluesy e outras bem Doom, mas dentro do contexto bem distorcido do Orange Goblin, assim como em “The Filthy & The Few”, aonde a música permeia perigosamente (no bom sentido) entre o Stoner e o Punk Rock, e na contemplativa “Save Me From Myself”, uma mezzo-balada calcada no Blues e com um feeling inacreditável.

Arrastada e trazendo de volta as influências mais mórbidas do Doom dos seus primórdios, “The Fog” (título que combina perfeitamente) é completamente baseado no Sabbath do início da carreira, naquele estilo que o Electric Wizard executa de forma perfeita. Curta e direta e completamente Hard setentista, “Return To Mars” e o seu clima bem letárgico dá passagem para “Death Of Aquarius”, um Heavy Metal mid-tempo e carregadaço, com uma das melhores performances do vocalista Bem Ward e sua voz etílica. Com mais algumas boas doses de Hard Rock, “The Bishops Wolf” consegue dar uma cara bem diferente para os riffs Stoner da faixa, principalmente pela dobrada de guitarra com órgão e a viajante faixa título resume bem todas as influências do Orange Goblin neste disco: ritmo alcoolizado, riffs com uma pegada bluesy, generosas doses de psicodelia e passagens viajantes, que fazem de “A Eulogy For The Damned” mais um grande álbum destes ingleses.

A espera de cinco anos desde “Healing Through Fire” definitivamente valeu a pena, pois o nível das composições apresentadas nesse novo trabalho é incrivelmente coeso, equilibrado, atingindo o equilíbrio perfeito entre o Stoner chupinhado de Black Sabbath e a sujeira e agressividade do Punk, que eles têm inserido de forma segura nas músicas mais recentes. Ainda que a banda tenha perdido um membro importante com a saída do guitarrista Pete O’Malley, o seu som permaneceu intacto: pesadíssimo, bêbado, sujo e com aquelas letras sacanas e viajantes já características.

01. Red Tide Rising
02. Stand For Something
03. Acid Trial
04. The Filthy & The Few
05. Save Me From Myself
06. The Fog
07. Return To Mars
08. Death Of Aquarius
09. The Bishops Wolf
10. A Eulogy For The Damned

Lineup:

Ben Ward – Vocal
Joe Hoare – Guitarra
Chris Turner – Bateria
Martyn Millard – Baixo

Nota 9

Orange-Goblin

A Eulogy For The Damned Orange Goblin

Tracklist

Lineup

Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *