Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Krisiun – “The Great Execution”


Aqueles que são considerados uma das bandas mais brutais no meio Death Metal atualmente, os brasileiros do Krisiun atingiram esse patamar através de trabalhos em constante evolução, saindo de um Death Metal pesadíssimo do começo da carreira até chegar na sonoridade que beira a insanidade apocalíptica e técnica atual.

Mas evidentemente, como uma banda que já está há 21 anos em atividade, a inspiração é mutável, e com “The Great Execution”, oitavo álbum de estúdio da carreira, produzido por Andy Classen (que já produziu os últimos do Krisiun, bem como uma infinidade de bandas extremas, como Belphegor e Rotting Christ), eles parecem buscar um outro patamar musical.

Os acordes acústicos frenéticos e o ritmo cadenciado na introdução de “The Will To Potency” já denunciam o que estar por vir no álbum: esqueça um pouco do Krisiun extremamente pesado e veloz e mergulhe de cara em uma versão um pouco mais calcada no Death clássico cadenciado (evidentemente, ainda continua bem rápido e pesado, afinal de contas, estamos falando de uma das bandas mais brutais do mundo). Analisando o disco como um todo, podemos ver que a faixa de abertura é o limiar entre o Krisiun dos últimos álbuns e essa nova tendência aqui adotada, e querem saber? O resultado é incrível! Principalmente por continuar em “Blood Of Lions”, conduzida por riffs absurdamente Thrashy, onde a variação de andamento chega praticamente a hipnotizar o ouvinte. A faixa título “The Great Execution” traz um Krisiun nos moldes clássicos, resgatando boa parte da brutalidade incessante, ótima para deslocar algumas vértebras por aí. Em seguida, “Descending Abomination” investe em um lado um pouco mais épico e cadenciado, com aqueles versos que precisam ser cantados como gritos de guerra e perfeitos para serem tocados ao vivo, enquanto “The Extremist”, como o próprio nome diz, bem, é uma das músicas mais extremas e brutais do disco. Mas o mais interessante é a evolução dela, com inclusão de riffs um tanto quanto inusitados e solos inspiradíssimos.

A segunda parte do álbum traz, novamente, ótimas surpresas. A começar com a épica “The Sword Of Orion”, cujo começo lembra bastante os trabalhos mais recentes do Hypocrisy e no seu desenrolar acaba lembrando incomodamente os poloneses do Behemoth e do Vader (como se isso fosse ruim), principalmente pela variação vocal de Alex Camargo, tornando a absorção dos quase sete minutos de música uma experiência única na discografia dos caras. “Violentia Gladiatore” continua mostrando a inclusão de passagens mais épicas no Death Metal com riffs cadenciados, assim como “Rise And Confront”, música um pouco mais mid-tempo, feita para quebrar os pescoços lentamente, aparentemente resgatando algumas influências americanas dos anos 90. Em seguida, “Extinção Em Massa”, primeira música cantada em português dos caras e com participação do João Gordo dividindo os vocais com Alex Camargo, é uma das músicas mais apocalípticas, da carreira dos caras, com riffs beirando o mais extremo do Death Metal e que com certeza será uma ótima desculpa para moshs e walls of death serem formados na pista dos shows. O álbum fecha com a épica “Shadows Of Betrayal” e seus quase nove minutos despejando uma overdose de riffs, sobre andamentos variados, tanto no instrumental quanto no vocal. Mais um momento um tanto quanto inédito e diferente, mas que funcionou muito bem.

O Krisiun prova com “The Great Execution” que mesmo tirando um pouco o pé do acelerador e apostando em novas idéias, ele ainda é uma das bandas mais inspiradas, brutais e extremas do Death Metal atual. E acima de tudo, uma das poucas com capacidade de sair da fórmula e conseguir um resultado tão bom quanto a sua zona de conforto. É difícil dizer se essa será a nova tendência adotada pelos caras, mas uma coisa é certa: tanto na pegada mais brutal (que os levou ao reconhecimento que tem hoje) quanto investindo no lado mais cadenciado e épico da coisa: não é a toa que eles são um dos maiores nomes da música extrema atual.

01. The Will To Potency
02. Blood Of Lions
03. The Great Execution
04. Descending Abomination
05. The Extremist
06. The Sword Of Orion
07. Violentia Gladiatore
08. Rise And Confront
09. Extinção Em Massa
10. Shadow Of Betrayal

Line-up:

Alex Camargo – Vocal / Baixo
Max Kolesne – Bateria
Moyses Kolesne – Guitarra

Nota 9

Krisiun

The Great Execution Krisiun

Tracklist

Lineup

Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Uma resposta para “Krisiun – “The Great Execution””

  1. Luccas Camilo disse:

    Caramba eu nem só tão fã do estilo mas a tua resenha me empolgou a ouvir este disco.

    No momento estou na segunda faixa, cara, to fascinado *>*

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *