Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Anthrax – “Worship Music”


Desde o fim da primeira era com John Bush nos vocais (após o “We’ve Come For You All”) e toda a novela envolvendo as idas e vindas de Dan Nelson, Bush e Joey Belladonna, comentários maldosos e a indefinição. Com a estadia definitiva desse último, turnês com o Big Four, a volta do vocalista clássico para os saudosistas significou a perda de um grande vocal que era Bush, desagradando alguns e agradando outros. Além disso, com a volta de Joey, basicamente todo o material já feito teria de ser composto novamente, ou seja, o álbum novo demoraria a sair.

Mas saiu! E considerando estes últimos anos conturbados já é uma grande vitória. “Worship Music”, produzido novamente pelo próprio Rob Caggiano e lançado via Nuclear Blast/Megaforce, é o décimo álbum de estúdio da carreira e traz aquilo que se esperava desde “Persistance Of Time”, 21 anos atrás.

Com a demasiada longa introdução de “Worship” (quase dois minutos de fade-in de ruído é sacanagem), “Earth On Hell” começa o álbum abrindo o sorrisão na cara tanto dos fãs da fase Belladonna quanto da fase Bush. Afinal de contas, o Anthrax conseguiu unir, trocadilhos infames a parte, the greater of two evils aqui. O instrumental continua impecável, aquele Thrash um pouco mais básico, com fortes sopros de Punk e um vocal muito superior àquele que ouvimos na década de 80. O Metal bem simples e direto de “The Devil you Know” mantém o nível do disco lá no ápice, um pouco mais melódico e inacreditavelmente pegajoso, assim como “Fight’em Til You Can’t”, a primeira música do disco liberada e instantaneamente um clássico absoluto da banda, ficando frente a frente com todas as pérolas, seja com Bush ou com Belladonna (sem contar que invasão zumbi por si só é um tema muito… Thrashy!). “I’m Alive”, em seguida parece mais um Hard/Heavy dos bons, provando que ao contrário de outras bandas que tentam se reafirmar como Thrash pesado, brutal e visceral, o Anthrax não liga a mínima pra isso e só quer se divertir. “Hymn 1” faz a introdução “orquestral” (cortesia do celo de Alison Chesley) para “In the End”, cujo riff e melodia inicial lembra incomodamente o começo do último álbum do Trivium (“In Waves”, a saber) e se mostra um momento um pouco mais soturno e arrastado do álbum, ficando a cargo de “The Giant” retomar a velocidade do álbum, com um toque todo modernoso nos riffs e nas melodias vocais que beneficiam em muito não apenas essa música, mas todo o disco.

Depois de mais uma passagem instrumental de “Hymn 2” vem a sugestiva “Judas Priest”, que não lembra basicamente nada a banda de Rob Halford e Cia, soando mais como um Thrash um pouco mais tradicional e cadenciado. “Crawl” pode ser considerada a balada do disco, bem mais arrastada e com boas passagens acústicas, prova de uma vez por todas a ótima fase que Belladonna está. Não tem um apelo de uma “Safe Home”, por exemplo, mas ainda assim é uma ótima música. Em seguida, “The Constant” é um típico Thrash mid-tempo, perfeito para destruir o pescoço com movimentos sincronizados, assim como o encerramento do disco com “Revolution Screams”, um ótimo título para um dos melhores riffs já compostos por Scott Ian, beirando o Hardcore americano e uma letra que faz jus ao nome. Pra fechar o disco de vez ainda tem uma faixa escondida, que não é nada mais nada menos do que um cover para “New Noise”, da banda sueca Refused.

Resumindo, se tivéssemos que definir “Worship Music” em poucas palavras, seria “um-grande-cala-boca-para-quem-ficou-de-mimimi-por-causa-da-saída-de-bush”. O álbum é um dos maiores trabalhos do Anthrax e absolutamente um dos maiores do ano, provando de uma vez por todas porque a banda entra no seleto grupinho do Big 4. Talvez o maior mérito, entre outros, é que eles não tentaram forçadamente deixar o seu som mais brutal, pesado ou rápido. Eles simplesmente estão sendo eles mesmos, coisa que fazem muito bem desde a década de 90, e o mais importante: não fazem questão nenhuma de ser Thrash Metal, mas sim fazer aquilo que mais gostam e melhor sabem fazer.

Dou meu braço a torcer. Belladonna está de volta, e chutando muitas bundas.

01. Worship
02. Earth On Hell
03. The Devil You Know
04. Fight’em Til You Can’t
05. I’m Alive
06. Hymn 1
07. In The End
08. The Giant
09. Hymn 2
10. Judas Priest
11. Crawl
12. The Constant
13. Revolution Screams
14. New Noise

Line-up

Joey Belladonna – Vocal
Scott Ian – Guitarra / Vocal
Frank Bello – Baixo
Charlie Benante – Bateria
Rob Caggiano – Guitarra

Nota 9

Anthrax

Worship Music Anthrax

Tracklist

Lineup

Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *