Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Neon Heat Of The Moment II


1999 – Rare

Há controvérsias se realmente devemos considerar este álbum, mas vamos lá: Lembrando que ele é inteiramente instrumental e que apenas John Payne e Geoff Downes tocaram nele. Curioso é que as 16 primeiras músicas foram trilha sonora do filme “Salmon – Against The Tides” e o restante era para um jogo da Sega que no fim das contas nem foi lançado. Outro fato que talvez vocês não tenham percebido é que é o primeiro disco da banda que o título não começa com a letra “A”. Com relação a arte em si… aparentemente alguém descobriu o “Invert Colors” no programinha…

2001 – Aura

E o Asia entra no novo milênio de uma forma bem… anos 80. Todo o trabalho gráfico da banda não mudou um pingo, talvez principalmente pelo ótimo trabalho de Roger Dean, fazendo um jogo com o logo da banda novamente e colocando a famigerada pirâmide ao fundo, uma paisagem altamente influenciada pela cultura oriental, como o próprio título sugere.

2004 – Silent Nation

Talvez na tentativa de mostrar que o Asia era uma outra banda, John Payne e Downes se reúnem a Chris Slade e Guthrie Govan pra lançar mais um trabalho que não começa com “A”, uma arte um pouco mais modernizada (a idéia é muito boa). Porém, esse seria na verdade o último álbum do Asia, até a reunião da formação clássica em 2006, que gerou o álbum ao vivo “Fantasia: Live In Tokyo”.

2008 – Phoenix

Não há título mais apropriado para esse álbum. É realmente difícil imaginar a magnitude da reunião da formação original de uma banda, separada há 25 anos, para lançar um novo álbum. Wetton, Downes, Howe e Palmer novamente, com Roger Dean fazendo mais um dos seus desenhos psicodélicos, simplistas e minimalistas ao seu modo.

2010 – Omega

E para provar que a banda estava continuando, lançaram mais um álbum com o intrigante nome de “Omega”, o que geralmente significa o fim (considerando que o álbum “Alpha” não foi o último, pode significar nada). A banda contudo, já deixou um fikdik que os conceitos entre os dois álbuns estão relacionados. Agora, o que realmente não está relacionado é a arte: Roger Dean realmente parece ter abusado de determinados produtos ao desenhar essa capa: olhos e listras de tigre, cujo “focinho” forma um Omega e dentro tem outra cabeça de tigre (WTF?). Mas isso não é NADA comparado com o logo da banda, no melhor estilo anos 80 todo… hum… zebrado. Agora só nos resta saber como serão os próximos.

Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *