Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Von Hertzen Brothers – “Nine Lives”


Apesar de amplamente reconhecido em seu país natal, o grupo formado pelos três irmãos Von Hertzen – Mikko, Kie e Jonne –, nunca alcançaram um sucesso realmente notável fora da Finlândia, mesmo depois o Emma de melhor disco de rock em 2006, com o segundo álbum, Approach (ou talvez exatamente esse fator tenha afastado alguns supostos fãs mais ortodoxos). Com fortes influências de bandas como Deep Purple, Led Zeppelin e Pink Floyd, a banda não permanece dentro de um estilo único, e transita de forma natural e belíssima entre o hard rock, o pop, o psicodélico e o progressivo com maestria.

VHB

Nine Lives é o seu quinto álbum de estúdio, e como o próprio nome sugere, é de longe o mais versátil e variado trabalho da banda, indo totalmente contra a proposta inicial, que previa o mais acessível disco de sua discografia.

Insomniac abre o disco com um hard rock grooveado, semelhante ao limiar entre a década de 70 e 80, aonde as melodias criadas pelo irmão Mikko Von Hertzen chegam a lembrar um Gleen Hughes mais contido, sem os berros esgoelados. Essa tendência, calcada em passagens simples e repletas de harmonia mantém-se em Flowers And Rust, acertadamente escolhida para ser o primeiro single do álbum, enquanto Coming Home é o mais básico rock’n roll com sutis toques de algo que pode remeter tanto ao surf rock quanto à sonoridade mais noir em diversos momentos.

A influência do rock progressivo (puxado um pouco para o psicodélico) aparece fortemente apenas na viajante e soturna Lost In Time, uma interessante faixa, bem diferente do apresentado nas faixas anteriores, que funciona como a primeira parte da atmosférica e cheia de ruídos Separate Forevers e de One May Never Know, com sua forte influência de folk e alguns sopros dispersos de raga rock ao longo dos seus poucos minutos de duração.

É notável como a banda vai mudando o seu som gradativamente ao longo do disco, e a balada World Without, tranquila e bem calcada nas bandas mais calmas do progressivo setentista é mais um destaque imediato, assim como a curta Black Heart’s Cry e a sua requintada combinação de passagens acústicas com teclados espaciais. Prospect For Escape mantém o direcionamento musical e lembra vagamente as bandas de metal progressivo da década de noventa e as suas longas baladas de clima épico e etéreo, encerrando o disco e deixando para trás uma atmosfera flutuante e relaxante.

Porém, o maior mérito dos irmãos Von Hertzen está em, como já verificado ao longo de sua discografia, fazer das nove músicas em Nine Lives como se fossem nove bandas relativamente diferentes, cada uma tocando uma das faixas. O disco cresce com o passar da audição, e as músicas se tornam cada vez mais bem trabalhadas, melódicas, e terminam de forma completamente diferente em relação às primeiras, ou seja, apresenta as mais diversas influências de forma coesa, sem apelar para o exibicionismo barato e mantém uma linha de raciocínio musical bem interessante nos quase 50 minutos de álbum.

Longe de ser uma obra prima e sem qualquer defeito, mas Nine Lives garante uma ótima experiência musical com uma viagem que revisita os mais diversos estilos, sem se perder pelo caminho, e é mais um considerável passo para que o Von Hertzen Brothers receba o seu devido reconhecimento.

VHB

Nine Lives Von Hertzen Brothers

123

Tracklist

01. Insomniac
02. Flowers and Rust
03. Coming Home
04. Lost In Time
05. Separate Forevers
06. One May Never Know
07. World Without
08. Black Heart’s Cry
09. Prospect For Escape

Lineup

Mikko Von Hertzen – vocal / guitarra
Kie Von Hertzen – guitarra / vocal
Jonne Von Hertzen – baixo / vocal
Mikko Kaakkuriniemi – bateria
Juha Kuoppala – teclado
Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *