Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

The Ocean – “Pelagial”


Iniciado como um projeto colaborativo do guitarrista Robin Staps, no ano de 2000, a proposta do The Ocean era reunir uma série de músicos trabalhando em prol da exploração musical, tendo como base algo que flutua entre os campos do post metal, sludge e prog metal. Porém, com o lançamento das obras gêmeas Heliocentric e Anthropocentric, em 2010, a banda estabeleceu uma formação fixa, resultando em um dos trabalhos mais interessantes do heavy metal nos últimos anos.

TheOcean

Em 2013, o quinteto anuncia o lançamento de Pelagial, um álbum que tem como tema principal o próprio oceano, aonde os seus níveis de profundidade são representados por cada uma das faixas e fazem um paralelo com uma jornada psicológica à sua própria consciência, e se desenvolvem de acordo com a experiência intencionada pela banda. Apesar de ter sido idealizado inicialmente como um disco inteiramente instrumental, a decisão final de lançá-lo em dois formatos (com vocais e sem) se mostrou extremamente acertada, trazendo dois diferentes panoramas do mesmo trabalho, e abrindo a possibilidade das mais diversas interpretações subjetivas.

A curta introdução Epipelagic, como os próprios efeitos sugerem, representa o início da imersão, ainda com a presença de algum ar antes de começar a descer lentamente aos níveis inferiores, começando por Mesopelagic: Into The Uncanny, uma relativamente simples faixa que alterna entre momentos serenos e flutuantes com outros de completo desespero. Esta tendência se mantém na belíssima e atmosférica Bathyalpelagic I: Impasses, que une, em infinitas mudanças de andamento, elementos de post rock e sludge com maestria única, assim como na simples Bathyalpelagic II: The Wish In Dreams, primeira faixa divulgada, algumas semanas atrás.

Extremamente carregada, Bathyalpelagic III: Disequilibrated soa como um caótico híbrido de sludge com death metal, uma opressão mental que beira o incompreensível nos limites do próximo nível, Abyssopelagic I: Boundless Vasts, um momento arrastado e agonizante semelhante à uma infinita queda, também representada na lentidão constante de Abyssopelagic II: Signals Of Anxiety (interessante notar que os vocais mais agressivos aparecem sobre um instrumental tranquilo, enquanto as vozes limpas estão sobre os momentos mais pesados).

Dividida em duas partes, Hadopelagic é uma verdadeira jornada contemplativa de passagens de jazz, ritmos tribais e sludge, que evolui gradativamente ao longo dos mais de dez minutos somados por Omen Of The Deep e Let Them Believe. Demersal: Cognitive Dissonance, mais um densíssimo estágio do álbum, resgata outra vez a sensação de estar boiando de forma descontrolada em águas tempestuosas, graças às dissonantes camadas instrumentais, ilustrando os momentos que antecedem o último nível do disco, Benthic: The Origin Of Our Wishes, um sludge atmosférico e arrastado, que se torna cada vez mais e mais lento, como se a essa profundidade a própria percepção ficasse comprometido, e os sentidos fossem desfalecendo gradativamente.

E tratando-se de níveis, o patamar criativo em que o The Ocean permanece desde a estabilização de sua formação é realmente um fator decisivo para o resultado obtido em Pelagial: um trabalho extremamente musical, que funciona de forma efetiva em favor do conceito apresentado, seja conceitual ou estruturalmente. Desde os experimentos durante o processo de gravação, à escolha dos timbres e como a ordem das faixas está encaixada de acordo com a proposta do álbum, cada detalhe soa indispensável e devidamente colocado, eficientemente construindo uma experiência de imersão, fazendo de Pelagial um dos mais vívidos e equilibrados discos lançados em 2013, até o momento, e de longe, o mais coeso na discografia do The Ocean. E quem conhece o trabalho deles, sabe que isso definitivamente não é qualquer coisa.

TheOcean

Pelagial The Ocean

12345

Tracklist

01. Epipelagic
02. Mesopelagic: Into the Uncanny
03. Bathyalpelagic I: Impasses
04. Bathyalpelagic II: The Wish in Dreams
05. Bathyalpelagic III: Disequillibrated
06. Abyssopelagic I: Boundless Vasts
07. Abyssopelagic II: Signals of Anxiety
08. Hadopelagic I: Omen of the Deep
09. Hadopelagic II: Let Them Believe
10. Demersal: Cognitive Dissonance
11. Benthic: The Origin of Our Wishes

Lineup

Loïc Rossetti – vocal
Robin Staps – guitarra / vocal
Jonathan Nido – guitarra
Luc Hess – bateria
Louis Jucker – baixo
Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *