Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

TesseracT – “Altered State”


Para o bem ou para o mal, o TesseracT é considerado um dos pilares do que viria a ser o djent, a passageira subvertente do metal progressivo que parece ter ascendido e decaído em um curto período de tempo, sem atingir um verdadeiro e estrondoso ápice. Ao lado de nomes como Periphery e Monuments, os ingleses liderados pelo exibicionista Acle Kahney foram apontados como uma das mais promissoras e revolucionárias bandas dos últimos anos, rendendo à eles diversos prêmios na época do lançamento de seu debut, One, em 2011.

TesseractAS

Dois anos depois, o djent praticamente transbordou de tanta saturação, com uma banda surgindo a cada esquina (uma mais parecida e sem criatividade que a outra), e, se a situação já não fosse desfavorável, o TesseracT passou por sérios problemas com a saída do vocalista Daniel Tompkins, e a subsequente entrada e saída de seu substituto, Elliot Coleman.

Porém, foi apenas no final do ano passado que eles finalmente conseguiram estabilizar a formação por completo, com a entrada do até então desconhecido Ashe O’Hara, um dos grandes responsáveis pela considerável mudança no som da banda em Altered State, seu novo trabalho, lançado em 2013 pela Century Media Records.

Apesar de ter uma introdução muito parecida com o apresentado no disco anterior, bastam alguns minutos de Of Matter: Proxy para notar que os ingleses não ficaram completamente preso às formulas utilizadas em One. Muito mais melódica e atmosférica, sem deixar a construção de ritmos complexos de lado (que, aliás, aparecem mais como coadjuvantes nessa nova proposta, com baixo e bateria dando suporte, e não ditando a estrutura da música), a faixa caminha sem grandes mudanças até Of Matter: Retrospect, muito mais serena e com inesperadas e curtíssimas oscilações. O clímax dessa primeira parte é atingido, de forma extremamente contida, apenas na curta Of Matter: Resist, um momento de contemplação antes do que vem a seguir.

Afinal de contas, Of Mind: Nocturne resgata de forma mais evidente as raízes djent da banda, ainda que aqui siga a nova tendência, muito mais atmosférica, com toques de eletrônico e post rock, enquanto Of Mind: Exile une desde os mais puros riffs meshuggianos com fortes passagens espaciais e flutuantes, que mudam ao longo da faixa de maneira quase imperceptível, tamanha a naturalidade.

Of Reality: Eclipse não foge muito do apresentado na suíte anterior, e volta a colocar os ritmos quebrados como os principais elementos, deixando os inúmeros detalhes apenas ecoando ao fundo. Isso fica ainda mais claro em Of Reality: Palingenesis e na curta instrumental Of Reality: Calabi-Yau, que conta com a participação do saxofonista Chris Barretto.

Extremamente lenta, beirando o desespero de tão arrastada, Of Energy: Singularity acaba se prolongando demais e se mostrando muito mais confusa do que o restante do álbum, principalmente pelas nebulosas margens entre uma mudança de andamento e outra, de forma que a tranquilidade em Of Energy: Embers (com o perdão do trocadilho infame) é como uma chama que vagarosamente se apaga.

Interessante notar como, em apenas alguns anos (confusos, diga-se de passagem), o TesseracT praticamente mudou de forma notável a sua proposta musical, deixando de lado a forte presença do djent (inteligente decisão) e trazendo para a frente o espírito mais atmosférico, próximo do alternative prog e do post rock, que já se mostrava, mesmo timidamente, no álbum de estreia.

A saída de Daniel Tompkins, vista com receio por grande parte dos que já acompanhavam a banda, se mostra menos impactante após esse trabalho, já que o novo vocalista, Ashe O’Hara soube encaixar muito bem o seu estilo mais contido e melódico dentro dessa nova proposta dos ingleses. Com uma audição menos complexa e mais preocupada com a fluência do álbum como um todo (mesmo que a promessa de ser apenas uma música de mais de cinquenta minutos não tenha sido cumprida), o TesseracT consegue em Altered State manter os pés em suas raízes, em um estilo que eles mesmo ajudaram a desenvolver, e ainda assim acompanhar as mudanças necessárias em sua própria música.

TesseractAS

Altered State TesseracT

1234

Tracklist

01. Of Matter – Proxy
02. Of Matter – Retrospect
03. Of Matter – Resist
04. Of Mind – Nocturne
05. Of Mind – Exile
06. Of Reality – Eclipse
07. Of Reality – Palingenisis
08. Of Reality – Calabi-Yau
09. Of Energy – Singularity
10. Of Energy – Embers

Lineup

Acle Kahney – guitarra
Jay Postones – bateria
James Monteith – guitarra
Amos Williams – baixo
Ashe O'Hara – vocal
Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *