Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Steve Hogarth & Richard Barbieri – “Not The Weapon But The Hand”


Chega a ser inconcebível e surpreendente um projeto envolvendo Steve Hogarth (Marillion) e Richard Barbieri (Porcupine Tree), certo? Aparentemente não. Os dois são músicos extremamente experientes e começaram a conversar sobre um projeto colaborativo quando suas bandas excursionaram anos atrás.

Devido aos problemas de agenda, eles só puderam completar o trabalho em 2011, trocando arquivos durante um longo período de tempo, com o auxílio de Danny Thompson, Arran Ahmun, Chris Maitland e Dave Gregory, que formaram a banda responsável pelo instrumental de “Not The Weapon But The Hand”.

Climática, “Red Kite” abre o álbum com várias camadas sintetizadas de Barbieri, que apesar de simples e repetitivas, criam a base perfeita para as letras de Steve Hogarth, que divide sua performance entre cantar sem exagero e simplesmente ler a letra (isso ocorre em todo o álbum, basicamente, chegando a lembrar em alguns momentos o polêmico “Lulu” – projeto colaborativo entre os caras do Metallica e Lou Reed). Não muito diferente, “A Cat With Seven Souls” soa muito mais artificial, por assim dizer, principalmente pelas linhas de baixo e bateria programadas e com aquele timbre isento de feeling, assim como “Naked”, aonde essa estrutura funciona um pouco melhor, mesmo com os efeitos eletrônicos e samples utilizados de uma forma um tanto quanto exagerada. “Crack”, em seguida, foge um pouco das atmosferas anathemicas e abraça claramente algo do Rock Alternativo, mais melódica, lembrando muito de leve os bons momentos do Nine Inch Nails.

“Your Beautiful Face” retoma o esquema “narração-sobre-notas-de-teclado”, o que nos leva a concluir que Steve Hogarth tem uma belíssima voz para cantar, mas quando prefere ler os versos a coisa realmente não anda (um quê de interpretação, pelo menos). Tanto que, o instrumental dessa faixa é muito bem composto, mas falta alguma coisa, um sentimento, algo que eles trazem em “Only Love Will Make You Free”, que torna os seus oito minutos muito mais agradáveis. O disco fecha com “Lifting The Lid”, que não pode ser classificada de outra forma senão completa e absurdamente hipnótica, de longe a melhor faixa (ao lado de “Crack”), e a faixa título “Not The Weapon But The Hand”, que não passa de um poslúdio de pouco mais de um minutos e, bem, não tem exatamente um papel importante.

Um trabalho colaborativo que foge um pouco da sonoridade de suas bandas principais, o projeto realmente tem uma proposta interessante, com toda essa atmosfera criada, e ao contrário do que se espera, não é de tão fácil absorção assim. As camadas instrumentais criadas por Richard Barbieri ora soam um tanto quanto repetitivas, ora muito artificiais, ainda que sempre carregadas e bonitas na maior parte do tempo. Quanto a performance de Steve Hogarth, bem, como já dito ali em cima, quando ele resolve cantar, o resultado é infinitamente melhor que as passagens de leitura. Por mais consciente que você esteja que esse álbum está mais para Atmospheric ou Eletronic Rock, a expectativa criada pelos músicos envolvidos era de algo incrível, que no fim das contas se mostra apenas bom. Mas veremos, quem sabe nas próximas empreitadas da dupla eles não aprimorem a fórmula.

Hogarth Barbieri

Not The Weapon But The Hand Steve Hogarth & Richard Barbieri

123

Tracklist

01. Red Kite
02. A Cat With Seven Souls
03. Naked
04. Crack
05. Your Beautiful Face
06. Only Love Will Make You Free
07. Lifting The Lid
08. Not The Weapon But The Hand

Lineup

Steve Hogarth – Vocal
Richard Barbieri – Teclados / Samples / Efeitos eletrônicos
Danny Thompson – Baixo
Arran Ahmun – Bateria
Chris Maitland – Bateria
Dave Gregory – Guitarra / Baixo / Arranjos de corda
Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *