Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Soen – “Cognitive”


Soen: Projeto formado por Martin Lopez após a sua saída do Opeth, junto com o vocalista Joel Ekelöf, o guitarrista Kim Platbarzdis e o quase desconhecido e nada técnico baixista Steve DiGiorgio. Colocando de forma simplificada, Soen é um elo perdido entre o Opeth de “Watershed” com o Opeth de “Heritage”, mas tocado de forma muito mais simples, com uma atmosfera muito mais carregada.

Pronto, isso é tudo que vocês precisam saber da banda e serem convencidos a ouvir, certo?

O clima carregadíssimo do álbum já dá as caras em “Fraktal”: linhas de baixo soturnas, interferências e o vocal já espetacular de Joel Ekelöf, que criam a atmosfera para “Fraccions”, aonde já se torna impossível não comparar com os últimos trabalhos do Opeth. Nem tanto apenas pela bateria característica de Martin Lopez, mas pelo próprio feeling e melodias vocais, que lembra principalmente a última masterpiece “Heritage”, ainda que com característica própria incrível. Apostando um pouco mais na simplicidade (tirando a atuação sem limites de Steve DiGiorgio), “Delenda” chega a ser contemplativa, como se tudo girasse em câmera lenta, assim como “Last Light”, novamente indescritível, além de que transborda sentimento da caixa de som/fone de ouvido enquanto você ouve. Tomando seu lugar no álbum, arranjos quase jazzísticos tomam a frente em “Oscillation”, sempre com uma simplicidade latente, nem sempre investindo completamente no peso, nem na complexidade esperada, mas é o suficiente para deixar qualquer um perplexo e sem ação como as músicas funcionam.

“Canvas” remete novamente ao último álbum do Opeth (dentro da sua identidade), com outros momentos que lembram em muito o Katatonia nas partes pesadas, enquanto “Ideate” é uma peça de Rock Progressivo, hipnótica, que imediatamente transporta para uma paisagem isolada, fria, assustadoramente quieta e com aquela névoa onipresente, sentimento incômodo (mas bom) que continua mesmo em “Purpose”, uma faixa mais pesada, aonde a guitarra de Kim Platbarzdis toca um riff propriamente dito, e não apenas cria as (espetaculares) linhas atmosféricas.O álbum fecha com mais duas músicas incríveis: “Slithering” e a já conhecida “Savia”, a alavancagem final que prova que ao lançar esse álbum, é presenciado o surgimento de mais uma banda única e confirmando o quão fértil o cenário Metal tem sido nos últimos anos.

Falar sobre “Cognitive” é uma tarefa deveras complexa. Tentar classificá-lo ou defini-lo em palavras é o mesmo que tentar descrever um sentimento, uma sensação, uma impressão: é perto do impossível. O resultado que o Soen conseguiu com essas músicas é algo praticamente além do tempo atual, que não segue tendências, não se preocupa em soar complexo, pesado, técnico ou qualquer coisa, além de adentrar profundamente na mente do ouvinte e ali assombrar por muito tempo. E assim como os sentimentos, a experiência de ouvir este disco é completa e totalmente subjetiva, então, o que vocês estão esperando?

Nota importante: Fiquem atentos que a Hellion Records prometeu o lançamento do álbum aqui no Brasil. Ficamos no aguardo!

Soen

Cognitive Soen

12345

Tracklist

01. Fraktal
02. Fraccions
03. Delenda
04. Last Light
05. Oscillation
06. Canvas
07. Ideate
08. Purpose
09. Slithering
10. Savia

Lineup

Joel Ekelöf – Vocal
Kim Platbarzdis – Guitarra
Steve DiGiorgio – Baixo
Marin Lopez – Bateria
Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

6 respostas para “Soen – “Cognitive””

  1. Fabio Tadeu disse:

    Interessante que eu baixei o Soen pq curti a sonoridade e já de cara me lembrou Opeth. Mas agora após ler o seu post ficou bem enfatizado isso !!! Sensacional mesmo, o CD inteiro, faz 3 dias apenas que estou ouvindo, mas por enquanto a música q mais curti é a Purpose.

    Mto bom, tenho saudades do Martin no Opeth

  2. Adriano disse:

    Esse álbum é fantástico. Eu achei por acaso e viciei logo de cara, tudo é muito bom. Como você disse, esse é um álbum que vai além das coisas "palpáveis", tem muito sentimento e cada faixa é uma sensação unica. Excelente post.

  3. Viviane Tavares Furtado disse:

    Sigo todos os projetos de Di Giorgio e esse ainda conta com a participação de um ex membro do Opeth, minha banda favorita. Disco lindo!!!

  4. Morgana F. disse:

    Oi! Eu gostaria de saber quem é o artista que fez a capa desse álbum, você saberia me informar? Obrigada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *