Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

OSI – “Fire Make Thunder”


Formado inicialmente como um projeto solo de Jim Matheos (que convidou Mike Portnoy e Kevin Moore para participar), o OSI (Office Of Strategic Influence – nome tirado de uma agência americana governamental destinada a “propaganda” na época da Guerra ao Terror) acabou se tornando uma banda colaborativa de estúdio entre o guitarrista do Fates Warning e o ex-tecladista do Dream Theater.

Com 3 álbuns e um EP na discografia (que já contou com participação de músicos como Sean Malone, Joey Vera, Steven Wilson, Tim Bowness e Mikael Akerfeldt), eles chegam ao quarto trabalho “Fire Make Thunder”, o segundo com o baterista Gavin Harrison, do Porcupine Tree, lançado pela Metal Blade no dia 27 de Março.

Após quase dois minutos de camadas atmosféricas e interferências, uma guitarra pesadíssima e simples serve de base para “Cold Call” e os vocais praticamente sussurrados de Kevin Moore (impossível não imaginá-lo praticamente apoiado no pedestal). O clima da música é até interessante mas depois de um certo tempo chega a ficar maçante, afinal de contas, são sete minutos repetitivamente longos. Por sorte, “Guards” vem logo em seguida e levanta o disco com suas passagens totalmente Prog-Metal-americano-anos-90: baixo grooveado, teclado altamente sintetizado e a voz distorcida. A melancólica balada “Indian Curse”, baseada em arranjos acústicos belíssimo (sopros de Riverside ou é impressão?), é mais um ponto alto do álbum, enquanto a instrumental (deveras longo, a propósito) “Enemy Prayer” basicamente parece um conjunto de riffs sem letra que sobraram e eles juntaram, resultando em algo que lembra trilha sonora de jogos de luta ou aventura do Playstation (um).

Novamente apostando em um clima melancólico, a belíssima “Wind Won’t Howl” tem uma interpretação praticamente catatônica (sim, isso foi uma referência à banda sueca) e consegue puxar o álbum de volta à superfície, e “Big Chief II” consegue combinar de forma mais do que eficiente o andamento Prog Metal com efeitos eletrônicos, assim como a balada “For Nothing”, perfeitamente distorcida e com um forte toques de Pink Floyd em meio aos sons sintetizados (não entendo o sentido de programar uma bateria quando se tem Gavin Harrison na sua banda, mas tudo bem, o resultado ficou muito bom). A longa “Invisible Men” aposta em diversas mudanças de andamento, dos efeitos eletrônicos até riffs típicos do estilo, explorando basicamente tudo o que o OSI se propõe a fazer neste álbum, de forma bem interessante: conseguiram soar diferentes combinando diversos elementos.

Apesar de resgatar um elemento ou outro (em vários momentos de forma bem nostálgica), o OSI conseguiu criar uma identidade bem peculiar dentro do Progressivo, apostando na inclusão de efeitos eletrônicos e uma interpretação bem melancólica (assim como as letras), que fogem um pouco do convencional e se aproximam em diversos momentos do Atmospheric e do Gothic Rock. Contudo, nem todos os resultados dessa equação têm resultados positivos (principalmente na fraca faixa de abertura e na dispensável instrumental), o que acaba pesando bastante em um disco curto como é “Fire Make Thunder”.

OSI

Fire Make Thunder OSI

1234

Tracklist

01. Cold Call
02. Guards
03. Indian Curse
04. Enemy Prayer
05. Wind Won’t Howl
06. Big Chief II
07. For Nothing
08. Invisible Men

Lineup

Kevin Moore – Vocal / Teclado
Jim Matheos – Guitarra / Baixo
Gavin Harrison – Bateria
Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *