Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Ne Obliviscaris – “Portal Of I”


Saudações galera do Progcast, depois de MUITO tempo de ausência volto deixando pra vocês um review de uma das melhores surpresas do ano de 2012. Se trata do álbum de estreia da banda australiana Ne Obliviscaris.

Foto de Portal Of I

Segundo o vocalista da banda, “Ne Obliviscaris” significa “não esquecer” e as pessoas poderiam interpretar da maneira que quiserem. Vou usar a interpretação que uma vez que conhecido e entendido o som da banda você realmente não irá esquecer. Primeiramente é preciso entender o que eles querem nos oferecer, se formos rotulá-los a melhor maneira seria enquadrar um Black Metal Progressivo. Mas a banda é muito mais que isso. Imagine um Opeth ainda mais extremo, emocionante e épico.  Adicione um violinista espetacular que executa solos de atingir o fundo da alma. É mais ou menos isso.

A banda já era admirada quando estava lapidando sua joia com o EP “The Aurora Veil” lançado em 2007, contendo três músicas épicas (Que estão no álbum, com algumas poucas edições). Já eram considerados a maior promessa por um nicho de fãs. A espera valeu a pena.

O álbum inicia com extrema brutalidade, “Tapestry of the Starless Abstract” soa no começo como um intenso black metal, mas logo muita técnica é posta em campo e um violino surge com muita luz no meio de tanta escuridão. Então uma passagem acústica de violão lindíssima é iniciada, nessas horas, fão de Opeth vão a loucura! Seguido disso não há mais o que falar, são trechos simplesmente incríveis, brutais, que te dão um frio na espinha. O vocal limpo junto do gutural no fim parece ter vindo de uma banda de Folk Metal ou algo parecido, aclamando o fim de uma jornada e o encontro do paraíso. E esse é só o começo.

“Xenoflux”, a primeira música inédita desde 2007 não dá tempo de descanso ao ouvinte, com um começo bastante parecido com Opeth na época de Still Life e Blackwater Park. A música assume uma postura muita agressiva para depois novamente se acalmar, usando a mesma fórmula da anterior, dessa vez com um violino mais acentuado e enfim o clímax maior chegar e deixá-la ainda mais épica. “Of The Leper Butterflies” com seus 6 minutos é a menor do álbum. Esta com uma linha de baixo cativante, segue com uma clima mais melancólico.

“Forget Not”, a faixa que não é para se esquecer, é a primeira do meu “top 3 particular”, sendo essa com o privilégio de ser a mais emocionante. Quem a comanda é o violino, e tá pra nascer uma performance de violino tão maravilhosa como essa dentro de uma música pesada. Essa é a faixa pra dizer quem é realmente o Ne Obliviscaris e o que eles são capazes de fazer. Nunca um solo de violino se deu tão bem com um pedal duplo, sem contar com o dueto de vocais mais do que espetacular, arrepiar sempre quando se canta a frase “as the dead sigh”. A cozinha perfeita para a criação de uma obra-prima. Nada mais.

“And Plague Flowers The Kaleidoscope” é a segunda do meu top 3, essa sendo a mais progressiva. Só o começo já diz tudo. Nenhum indício de metal se aproximando, apenas um feeling que impressiona rapidamente. E pela primeira vez vou destacar os solos de guitarra, não que eles não foram nas músicas anteriores, muito pelo contrário, é que sobrou espaço para comentar dos outros instrumentos tão surpreendentes. Mas aqui não falta nada, temos mais pra frente um clima extremamente agonizante com um violino muito rápido dando status para a música explodir num feeling contagiante mais uma vez lembrando Opeth.

“As Icicles Fall” é a segunda menor do álbum e por incrível que pareça ganhou o privilégio da mais épica. Uma letra enigmática, uma sensação de liberdade. A minha favorita. Não há nada mais épico do que a forte narrativa acompanhada do instrumental impactante e incansável, este pra mim é o ápice de todo álbum. A música termina e você fica com aquela sensação de: “O que foi isso?” Para terminarmos a obra temos “Of Petrichor Weaves Black Noise” que mantém o nível do que vimos até aqui, fecha com chave de ouro.

Para fãs do Metal Progressivo extremo. Ouça e se surpreenda. Talento inegável, original.  Um dos melhores debut álbuns dos últimos tempos e para mim já está bem encaminhado para ser o álbum de 2012!

Portal Of I Ne Obliviscaris

12345

Tracklist

1. Tapestry of the Starless Abstract
2. Xenoflux
3. Of the Leper Butterflies
4. Forget Not
5. And Plague Flowers The Kaleidoscope
6. As Icicles Fall
7. Of Petrichor Weaves Black Noise

Lineup

Xenoyr - Vocal Principal
Tim Charles - Violino / Vocal Limpo
Matt Klavins - Guitarra
Brendan 'Cygnus' Brown - Baixo
Benjamin Baret - Guitarra
Nelson Barnes - Bateria
Andrew Rosario

Uma resposta para “Ne Obliviscaris – “Portal Of I””

  1. lu disse:

    Amoooo esta banda! top!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *