Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Jethro Tull – “Thick As A Brick 2”


(Perdoe-me sociedade… Mas eu só consigo tratar deste disco como sendo “Jethro Tull”, mesmo sabendo que é um solo do Mr Anderson)

Ian Anderson… Ah, Ian Anderson. É realmente necessário apresentar um dos maiores frontman da história do Rock Progressivo (e da música em geral)? A questão é que, em comemoração aos quarenta anos do clássico “Thick As A Brick”, ele resolveu lançar a segunda parte da obra, dando continuidade à história de Gerald Bostock, e o que aconteceu em sua vida ao longo de todo esse tempo.

Com a genial sacada de transformar o original original na home de um site já chama a atenção, e os rumos do conceito seguem abordando partes da vida do personagem contando pequenas crônicas sobre um investidos, um mendigo homossexual, um soldado da guerra do Afeganistão, um pastor evangélico e um homem simplesmente normal. De alguma forma, todas as histórias se convergem no final do álbum.

A versão em especial com DVD de “Thick As A Brick 2” traz no material bônus o disco em 5.1 Surround (mixado por ninguém menos que Steven Wilson), um documentário sobre a gravação, entrevistas com Ian Anderson e Steven Wilson e algumas artes a mais. Com dezessete pequenas faixas que basicamente não tem fronteiras entre si, “TAAB2” estreou na Billboard na posição 55.

É simplesmente impossível não ser transportado para o distante ano de 1972 quando as primeiras notas de “From A Pebble Thrown” começam a sair. Tudo nela remete a outros tempos, a outros lugares: a letra, o andamento, os timbres dos instrumentos e a sempre árcade voz de Ian Anderson. A sua versão instrumental logo em seguida, então, é basicamente a trilha sonora de algum desenho animado em VHS, graças aos ótimos arranjos de flauta daquele jeito que… bem… vocês sabem como é. Após a narrativa em “Might-have-beens”, a curta balada menestrel “Upper Sixth Loan Shark” funciona como introdução para a ótima “Banker Bets, Banker Wins”, que consegue seguir os moldes clássicos do Jethro Tull, e ainda assim soar bem atual. A balada “Swing It Far” traz algumas mudanças de andamento bem esquisitas e inusitadas (de linhas de piano tranquilas a ritmos de festas regadas a cogumelo na floresta), enquanto “Adrift And Dumfounded” une os grandes arranjos acústicos com um improviso mezzo-jazz incrível. Mais flerte com ritmos medievais em “Old School Song” e “Wootton Bassett Town”, graças aos belíssimos toques orquestrais e como eles se combinam com a guitarra e a flauta.

E por falar na flauta, ela toma completamente à frente na curta “Power And Spirit”, enquanto os maneirismos que só Ian Anderson consegue fazer voltam com tudo nas teatrais “Give Till It Hurts” e “Cosy Corner”. E o que dizer então de “Shunt And Shuffle”? Uma versão modernizada do mais esquizofrênico Tull da década de 70? Definitivamente. Enquanto isso, a longa “A Change Of Horses” e o seu acordeom onipresente é um verdadeiro deleite para aqueles que esperavam o lado mais Prog de Ian Anderson (mesmo que esse nunca tenha sido fortemente evidenciado – nos moldes “padrões”) enquanto “Confessional” se baseia no sintetizador, de forma simples, para conduzir a música, e “Kismet In Suburbia” é um Rock n’ Roll simples, absurdamente setentista. Encerrando o trabalho, “What-Ifs, Maybes And Might-have-beens” remonta várias passagens de outras músicas do disco em uma balada belíssima e melancólica que encerra de forma magistral o trabalho e a história de Gerald Bostock.

Alguns fãs mais ortodoxos podem ter torcido o nariz ao saber que Ian Anderson iria lançar a segunda parte de um dos mais aclamados e respeitados álbuns da história do Rock Progressivo. E a revolta ficou ainda mais ouriçada quando o tracklist foi divulgado e ele não seguia o modelo do primeiro, mas sim, era composto de diversas faixas curtas. Pois bem, detalhes a parte, o que vemos em “Thick As A Brick 2” é um disco nostálgico, recheado de referências à música dos anos 70 (seja ela do Jethro Tull ou não), com todos os elementos que se poderia esperar: arranjos acústicos, baladas folk, a flauta única de Ian Anderson, as suas letras carregadas de sacadas inglesas, remetendo diretamente ao ápice da criatividade do leprechaun, quarenta anos atrás.

Deixem de levar o Rock Progressivo sério demais e aproveitem esse disco, que é excelente ao contrário dos últimos lançamentos de algumas bandas clássicas por aí.

Jethro Tull

Thick As A Brick 2 Jethro Tull

1234

Tracklist

01. From A Pebble Thrown
02. Pebbles (Instrumenta)
03. Might-have-beens
04. Upper Sixth Loan Shark
05. Banker Bets, Banker Wins
06. Swing It Far
07. Adrift And Dumfounded
08. Old School Song
09. Wootton Basset Town
10. Power And Spirit
11. Give Till It Hurts
12. Cosy Corner
13. Shunt And Shuffle
14. A Change Of Horses
15. Confessional
16. Kismet In Suburbia
17. What-ifs, Maybes And Might-have-beens

Lineup

Ian Anderson – Vocal / Flauta / Violão
John O’Hara – Hammond / Piano / Teclado
David Goodier – Baixo
Florian Opahle – Guitarra
Scott Hammond – Bateria
Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *