Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Huaska – “Samba de Preto”


O Huaska foi formado em São Paulo com uma proposta muito clara, de unir o Rock e o Heavy Metal atual (principalmente o alternativo americano) aos ritmos tipicamente brasileiros, como o Samba e a Bossa Nova.

Já com dois álbuns na sua carreira (“É Chá de Erva Doce”, de 2006 e “Bossa Nenhuma”, de 2009), a banda lança agora em 2012 “Samba de Preto”, um álbum que trata basicamente de temas profundos, como a morte e o luto, e já tem trazido os merecidos holofotes da imprensa especializada para os caras, com direito a matérias em diversos jornais e revistas, divulgando o estilo criado por eles, conhecido como Bossa Metal.

Se você nunca teve contato com a sonoridade do Huaska anteriormente, prepare-se, pois “Ainda Não Acabou”, um dos singles desse álbum define de forma perfeitamente equilibrada qual a proposta realmente única da banda: riffs de guitarra pesados e modernos (estilo bem parecido com o Metal americano atual), letras em português e arranjos calcados na Bossa Nova. O resultado? Uma música lírica e instrumentalmente belíssima, sem deixar em nenhum momento de lado a veia Metal/Hardcore deles. E a mistura de samba com passagens pesadíssimas em “Foi-se” mostra os diversos estilos que os influenciam encaixados na música de forma sobreposta, uma combinação realmente única, repetida na espetacular faixa título, com participação mais do que especial de Elza Soares. A melancólica “Branco e Verde”, uma belíssima balada chega a causar certo incômodo na espinha, principalmente nos trechos mais calcados no Metal, enquanto a divertidíssima “Gávea” narra um jogo de futebol de uma maneira realmente única, alternando sobre um Samba bem matreiro e um Rock n’ Roll daqueles bem pra cima.

Mais um momento belíssimo do álbum, “O Mar” traz um crescendo musical digno de nota, tão natural que você consegue perceber a evolução dela mesmo sem nunca ter ouvido antes, enquanto o andamento de “Avoar” soa como uma versão brasileira (nos ritmos, especialmente) das bandas americanas do início da década de 2000 que incluíam ritmos latinos no seu som (o Ill Niño, por exemplo). “Let’s Bossa” vai por outro caminho, indo dos bonitos acordes de Bossa Nova ao Punk Rock mais melódico de forma bem tranquila e cadenciada, um sentimento bem triste que também se faz presente na quase Nu Metal “Otelo”. Como não poderia deixar de ser, o álbum encerra com uma excelente versão para “Chega de Saudade”, clássico de Tom Jobim e Vinícius de Moraes, aonde a banda conseguiu injetar muito bem o seu estilo.

O Huaska definitivamente é uma das mais belas, criativas e únicas bandas surgidas no Brasil nos últimos anos, equilibrando de maneira incrível (e jamais vista?) o peso do Metal contemporâneo com a Bossa Nova e o Samba, estilos tão estimados mundialmente. Em “Samba de Preto”, o tom melancólico é um elemento importantíssimo, caindo como uma luva na hora de encaixar as letras nos arranjos, fazendo deste álbum um dos grandes destaques de 2012. Um dos grandes destaques entre todos os estilos. De todos os países.

Huaska

Samba de Preto Huaska

12345

Tracklist

01. Ainda Não Acabou
02. Foi-se
03. Samba de Preto
04. Branco e Verde
05. Gávea
06. O Mar
07. Avoar
08. Let’s Bossa
09. Otelo
10. Chega de Saudade

Lineup

Rafael Moromizato – Vocal
Carlos Milhomem – Guitarra
Alessandro Manso – Guitarra / Violão
Caio Veloso – Bateria

Músicos convidados:

Eumir Deodato – Piano / Cordas / Metais
Elza Soares – Vocal
Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *