Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Guapo – “History Of The Visitation”


Um dos representantes contemporâneos do Rock in Opposition, o Guapo é um projeto de experimental rock / art rock liderado pelo baterista Dave Smith formado no final da década de 90. O ápice da criatividade da banda foi o período em que contou com a colaboração do músico Daniel O’Sullivan, quando as influências dos mais obscuros confins da década de 70 (Goblin, Univers Zero, Sun Ra, além do óbvio Magma) extrapolaram todo e qualquer limite que ainda existia.

Guapo

History Of The Visitation é o oitavo trabalho da banda, e vem acompanhado de um DVD com a performance da banda no NEARfest em 2006 das músicas Five Suns e King Lindorm.

Composto oficialmente por apenas três faixas, a abertura com mais de 26 minutos de The Pilman Radiant é praticamente uma ode ao rock progressivo nos seus primórdios (quando as fronteiras com o psicodélico, jazz e improvisação eram ainda mais tênues). O instrumental intrincado e desenfreado, com diversas camadas sonoras evolui gradativamente graças à utilização de mais de vinte instrumentos diferentes, uma megalomania digna da fronteira entre as décadas de 60 e 70. Dividida em quatro partes – Visitation, The Divine Vessel, Wriggling Mange e The Divine Vessel’s Reprise-, é impossível passar ileso pela viagem espacial que a faixa proporciona: às vezes caótica, outras como se estivesse flutuando no vazio, sempre com uma sensação aflorada de contemplação, boa parte devido ao ótimo e característico uso de Fender Rhodes ao longo da faixa.

Complex #7 vai por um caminho um pouco diferente, agregando muito mais elementos de post rock, naquele estilo que beira ao desespero, com notas alongadas e dignas de paisagens desérticas. Apesar de algumas intervenções eletrônicas durante os relativamente curtos quatro minutos de música, o seu monótono desenvolvimento acaba piorando ainda mais os sentimentos controversos que ela própria gera.

Contudo, Tremors From The Future retoma o estilo interestelar, acrescentando uma dose extra de peso e distorção no timbre dos instrumentos, criando uma interessante aura de modernidade em contraste com as linhas tipicamente clássicas do rock progressivo (o trabalho de teclados e sintetizadores é digno de nota).

Não bastasse, é impossível não imaginar como se estivesse mergulhando ainda mais no espaço enquanto o álbum se encerra. Uma audição complexa? Não exatamente, mas é algo que deve estar extremamente preparado e nas condições certas para experimentar, pois o risco de não se identificar e achar cansativo é relativamente alto. Um trabalho totalmente experimental, com infinitas mudanças de andamento e passagens mirabolantes, aonde é perceptível o porquê de os músicos envolvidos no projeto são tão respeitados dentro do “cenário” post rock: as músicas soam completas, sem brechas que comprometem o resultado, e apesar de parecerem de livre improvisação, seguem uma lógica que leva um certo tempo a ser notada. E quando isso acontece, é quando se torna possível compreender a obra (e isso vale para todos os discos).

Guapo

History Of The Visitation Guapo

123

Tracklist

01. The Pillman Radiant
I. Visitation
II. The Divine Vessel
III. Wriggling Mange
IV. The Divine Vessel's Reprise
02. Complex #7
03. Tremors from the Future

Lineup

Emmet Elvin - Fender rhodes / orgão / sintetizador
James Sedwards - baixo
Kavus Torabi - guitarra / santoor
David J. Smith - bateria / percussão / santoor

Convidados:

Thomas Frasier Scott - saxofone / clarinete / flauta / oboé / fagote
Dave Newhouse - saxofone / clarinete / flauta
Chloe Heringon - fagote
Sarah Anderson - violino / viola
Geri McEwan - violino
Sam Morris - trompa
Emma Sullivan - trompete
Antti Uusimaki - teclados e efeitos eletrônicos
Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *