Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Gojira – “L’Enfant Sauvage”


Imagine que uma criatura ficou adormecida por incontáveis eras, e ao despertar, descobre que o universo em que vive já não é o mesmo, mas sim um lugar desolado, cinzento e estático, caindo em total desespero, raiva, angústia e todos os outros sentimentos paranoicos.

Essa é a impressão que fica quando ouvimos “L’Enfant Sauvage”, quinto álbum do Gojira, o maior nome do Heavy Metal francês atualmente, que após longos quatro anos de espera finalmente lança o seu novo trabalho pela Roadrunner Records.

Muito mais grooveado, pesado e atmosférico, “Explosia” abre o disco mostrando que o Gojira novamente conseguiu dar um passo além do que já foi feito por ele mesmo, passando dos riffs extremamente quebrados para passagens hipnóticas de forma bem natural e excelente, flertando (bastante) com o Post-Metal. O nível do álbum continua alto com “L’Enfant Sauvage” e o seu ritmo cadenciado, criando um incrível cenário através da música, como se a banda estivesse tocando em cima de um penhasco no dia mais nublado da história, enquanto “The Axe” soa como um elo perdido entre o Death Metal e o Post-Rock, gerando uma belíssima faixa, bem parecida com “Liquid Fire” e o seu tempo mais arrastado com excelentes melodias vocais.

Após o curto e inexplicável interlúdio instrumental “The Wild Healer”, “Planned Obsolescence” resgata um pouco do lado mais brutal da banda, com direito a flertes com um pouco de Industrial e tempos quase Sabbathicos, enquanto “Mouth Of Kala” volta a trazer o sentimento obscuro e épico das primeiras faixas, inclusive encaixando sutis melodias orientais tanto nas vozes quanto nas guitarras. Aliás, é impressionante como eles conseguem unir uma música extremamente brutal com uma noção notável de melodias e harmonia, vide “The Gift Of Guilt”, também uma das melhores letras do álbum.

Apesar do início um tanto quanto perturbador, “Pain Is A Master” é mais uma porradaria desenfreada, chegando a se aproximar do Black Metal inclusive, na sua manifestação mais gélida e polida, com mudanças de andamento bem imprevisíveis. Com “Bron In Winter”, porém, a banda joga o ouvinte para um cenário completamente diferente, já que a sua introdução remete de cara ao Rock mainstream americano na metade da década passada (evidentemente, ainda dentro da identidade musical do Gojira). “The Fall” fecha o álbum com uma das músicas mais experimentais e progressivas da carreira da banda, recheada de tempos complexos, riffs técnicos, climas esquisitos e letras bem reflexivas, deixando uma interrogação ao fim da audição, se eles realmente conseguirão se superar no próximo trabalho.

Pois é inegável a importância de “L’Enfant Sauvage” na discografia dos franceses, bem como para o Metal daquele país (aonde várias bandas já são influenciadas pelo próprio Gojira): o disco traz músicas atemporais, extremamente carregadas de sentimento e acompanhadas de uma execução perfeita, justificando eximiamente o porque dos quatro anos desde o último álbum. Mais um trabalho perfeito para se ouvir naqueles dias cinzentos e vazios e mais um dos grandes lançamentos de 2012.

Gojira

L’Enfant Sauvage Gojira

12345

Tracklist

01. Explosia
02. L’Enfant Sauvage
03. The Axe
04. Liquid Fire
05. The Wild Healer
06. Planned Obsolescence
07. Mouth Of Kala
08. The Gift Of Guilt
09. Pain Is A Master
10. Born In Winter
11. The Fall

Lineup

Joe Duplantier – Vocal / Guitarra
Christian Andreu – Guitarra
Jean-Michael Labadie – Baixo
Mario Duplantier – Bateria
Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Uma resposta para “Gojira – “L’Enfant Sauvage””

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *