Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Earthship – “Exit Eden”


O Earthship é uma banda alemã formada em 2010 que facilmente construiu a sua carreira pelo underground, chegando já ao debut um ano depois, em partes pela presença em seu lineup de membros do The Ocean (outra pérola um tanto quanto esquecida no underground Progressivo).

A começar pela capa, já fica mais do que clara a influência dos americanos do Mastodon. E bem, não para por aí.

“Caught In A Storm” abre o disco de forma arrastada, suja e pesada, como um bom Sludge deve ser, psicodélico e quase indefinível. E quando os vocais começam, é impossível não comparar com os primeiros álbuns do Mastodon (mas assim, impossível MESMO), principalmente com “Sea Of Peril”, aonde até as passagens quebradas bateria são parecidíssimas. Evidentemente, isso não quer dizer que seja ruim ou de péssima qualidade, claro, afinal de contas, “Fever Pitch”, por exemplo, é uma ótima música, com toques quase Hardcore, e “A Line Divides” com sua construção musical até inusitada, digna de fazer levantar os punhos no ar e berrar junto (a voz embriagada do vocalista, aliás, encaixa perfeitamente com a proposta instrumental). “Born WIth A Blister”, em seguida, soa como uma versão mais podreira e americana do Black Sabbath e, exageros a parte, tem um punch inacreditável, propício a curtir ritmicamente sincronizado, o mesmo acontecendo em “Bleak”.

Possivelmente, a essa altura do disco, a familiaridade com o som do Mastodon já nem incomode tanto, e a… balada (?) “Grace” até aumenta ainda mais esse sentimento, já que a condução da música, um tanto letárgica, dá uma quebrada interessante no ritmo frenético das músicas até então. As coisas só voltam aos eixos com “A Feast For Vultures”, aonde aí sim, o Earthship parece pelo menos tentar fugir um pouco do óbvio e criar uma identidade própria, com linhas de guitarra mais técnicas e mesclando outros tipos de vocais (resgatando um quê setentista até). O mesmo ocorre com “Soul Embedded”, que, comparando ao resto do álbum, é quase um Metalcore, daqueles bem sujos, e o resultado é extremamente positivo e interessante, algo a ser melhor aproveitado no futuro, claramente, já que eles também meio que tentam isso na faixa título “Exit Eden”, uma música igualmente ótima. A curta “…As If She Were A Black Bird” é uma instrumental que serve mais como um encerramento, sem uma importância clara (um título desses podia ser muito melhor aproveitado).

O Earthship é possivelmente a banda que mais coloca em prática as influências do Mastodon atualmente (se tem mais que façam isso, me avisem!), tanto que ouvir a primeira metade de “Exit Eden” é ter basicamente a mesma experiência que ouvir um “Remission” ou “Leviathan”. Evidentemente, aqui temos uma boa dose a mais de Sludge e aquela produção mais podrera, mas em suma, a sonoridade é basicamente igual. O clima só levanta e chama a atenção aos ouvidos a partir da metade, quando aparentemente eles já se sentem seguros o suficiente para levantar e dizer “Ok, vocês gostam de Mastodon, nós também. Agora vamos colocar para tocar o NOSSO som”. E definitivamente, a mistura Sludge/Prog/Metalcore/Hardcore que vemos ali é impressionante e bem singular.

Não que fazer um som parecido com o das suas bandas favoritas seja ruim, longe disso. Mas se você tem vontade e capacidade de criar algo novo, faça-o.

Earthship

Exit Eden Earthship

123

Tracklist

01. Caught In A Storm
02. Sea Of Peril
03. Fever Pitch
04. A Line Divides
05. Born With A Blister
06. Bleak
07. Grace
08. A Feast For Vultures
09. Soul Embedded
10. Exit Eden
11. …As If She Were A Black Bird

Lineup

Jan Oberg – Vocal / Guitarra
Robin Staps – Guitarra
Bastian Gutschke – Baixo
Dennis Boettcher – Bateria
Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *