Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Astra – “The Black Chord”


Um dos nomes mais ascendentes do Rock Progressivo atual, o quinteto californiano Astra foi formado em 2001 com a proposta de revisitar todas as extrapolações musicais do estilo nos anos 70, fortemente influenciados principalmente pelo Yes na sua fase mais tresloucada.

Apadrinhados por Lee Dorian e a sua Rise Above Records, o disco de estreia “The Weirding” é um dos melhores discos do estilo lançados em 2009, o que com certeza chamou muita atenção dentro do cenário Progger. Três anos depois eles retornam com “The Black Chord”, um disco ainda mais viajante, cósmico, psicodélico, calcado completamente nas linhas de mellotron e moog, a banda dá um importantíssimo passo na carreira.

Acordes crescentes de sintetizador começam a criar a atmosfera do disco na introdução de “Cocoon”, com uma considerável dose psicodélica, principalmente nos timbres escolhidos da guitarra e dos teclados (e haja camada de teclado), que duram até os quatro minutos, aproximadamente, quando a faixa se transforma em uma virtuosa jam digna da fase áurea do Yes. E por falar neles, definitivamente Jon Anderson e Cia é a maior influência do Astra, ainda mais evidente na incrível faixa título “The Black Chord”, com suas belíssimas mudanças de andamento, cheia de detalhes e toques mínimos que a tornam muito rica, musicalmente falando, explorando incessantemente ao longo dos seus 15 minutos de duração (interessante notar que são poucos os trechos que se repetem ao longo da música, como se ela progredisse de forma natural e sem parar por nenhum segundo). “Quake Meat”, em seguida, é completamente direcionada pelos teclados (que estão em outro nível nesse trabalho) e com um ótimo uso de instrumentos de sopro e efeitos distorcidos na voz, criam um cenário bem diferente.

A balada “Drift”, com belíssimos arranjos de violão chega a ser hipnótica, graças às linhas vocais bem tranquilas e a forma como a linha do teclado aparece aqui de forma simples e como pano de fundo, mas certeira nos raros momentos em que toma a frente. Após a instrumental “Bull Torpis”, que podemos dizer sem dúvida, é um improviso livre de guitarra no espaço, vem mais uma faixa sob medidas progressivas, “Barefoot In The Head” com seus nove minutos, permeia entre as influências do Pink Floyd pré-Meddle, sopros de Yes e um sentimento indescritível de estar ouvindo uma música que resgata inúmeras referências na década de 70 mas não se contenta em reproduzi-las nos mesmos moldes e estruturas, mas busca algo transcendental, inovador e a frente do seu tempo e definindo a sua identidade própria.

Se com o disco anterior “The Weirding” o Astra chamou a atenção do meio progressivo com composições incríveis e uma qualidade como há muito não se via no Prog mais puro, com “The Black Chord” eles se utilizam das suas influências para caminhar em direção a outro patamar, trazendo o estilo para o cenário atual, fazendo reverência aos nomes clássicos do estilo, mas livre de qualquer amarra, atingindo um nível de megalomania como há muito não se via.

Astra

The Black Chord Astra

1234

Tracklist

01. Cocoon
02. The Black Chord
03. Quake Meat
04. Drift
05. Bull Torpis
06. Barefoot In The Head

Lineup

Richard Vaughan - Vocal / Guitarra / Mellotron M400 / Minimoog / Moog Rogue / Echoplex
Conor Riley - Mellotron M400 / Minimoog / Moog Rogue / Hammond / Piano
Brian Ellis - Guitarra
Stuart Sclater - Baixo
David Hurley - Bateria
Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *