Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Ancestors – “In Dreams And Time”


Um dos grupos mais inventivos que surgiram no pós-2005 nos Estados Unidos, altamente influenciados por bandas experimentais e livres da década de noventa (como o Neurosis, por exemplo), catalogados como o famigerado Post-Metal, o Ancestors já lançou três álbuns relativamente diferente entre si ao longo dos seis anos de atividade, além de um EP e um split com o Graveyard.

O trabalho mais recente “In Dreams And Time”, novamente pela Tee Pee Records, chama a atenção imediata de qualquer fã de Progressivo pela sua capa intrigante e muito bem montada (sem mencionar o “triângulo preto” ao fundo, que vocês devem saber de onde é, certo?), despertando a curiosidade sobre o seu conteúdo. E bem, quem procura por uma música completamente sem “bordas” não se decepciona.

“Whispers” abre o disco com riffs mais puxados para o lado Doom Metal da banda, com andamento perturbadoramente lento e passagens que chegam a lembrar a sonoridade etérea e psicodélica do Mastodon em “Crack The Skye” (em grande parte devido a produção). Interessante notar que, assim como representado na capa do álbum, a música vai crescendo ao longo dos seus nove minutos, transformando-se de forma assustadora, fazendo com que um grande ponto de interrogação apareça quando “The Last Return” começa tranquila, combinando vocais femininos com linhas repetidas de teclado e texturas cacofônicas de guitarra. Uma bonita faixa bem reflexiva graças à influência clara de Post Rock europeu que prosseguem de forma notável em “Corryvreckan”, com resultados parecidos ao de bandas como Cult Of Luna, Isis e Neurosis, ainda que seguindo um caminho mais psicodélico.

Mais uma faixa que utiliza bem a fórmula de loops de piano com camadas e mais camadas distorcidas, “On The Wind” soa carregadíssima, com um sentimento estranho que deixa o ouvinte completamente preso nas suas notas (quem já está pelo menos um pouco acostumado com esse tipo de música, claro), já que a mesma base se repete infinitamente enquanto a banda praticamente improvisa solos e mais solos de guitarra e órgão sobre ela. E talvez por isso os acordes acústicos iniciais de “Running In Circles” soem tão confortantes, já que é apenas um curto momento de calmaria até ela mudar completamente e voltar aos experimentos musicais desenfreados do Ancestors. A essa altura do disco, já foram mais de quarenta e seis minutos em cinco músicas e a banda simplesmente guardou para o final a epopeia “First Light”, com mais de 19 minutos. Soando como um híbrido entre os dois últimos álbuns do Mastodon e Baroness, além de doses extras de Rock Progressivo e Psicodélico dos anos setenta, mais uma tonelada do mais lisérgico Black Sabbath, vocês podem ter uma noção aproximada de como eles encerram o disco.

Definitivamente, “In Dreams And Time” é um trabalho de difícil absorção mesmo para quem já está acostumado com os exageros progressivos, seja da era clássica ou de bandas mais recentes. Analisando musicalmente, a proposta do Ancestors aqui soa como uma versão muito mais experimental e com mais influência de Stoner e Post-Rock do Progressivo praticado pelas novas bandas americanas (como o Astra, por exemplo). De qualquer forma, é um álbum que merece uma ouvida cuidadosa, atenta, já que cada música traz uma experiência única, e a partir do momento que você entra na sua atmosfera, é cada vez mais difícil sair.

Ancestors

In Dreams And Time Ancestors

1234

Tracklist

01. Whispers
02. The Last Return
03. Corryvreckan
04. On The Wind
05. Running In Circles
06. First Light

Lineup

Justin Maranga – Vocal / Guitarra
Nick Long – Vocal / Baixo
Jason Watkins – Vocal / Órgão / Piano
Daniel Pouliot – Bateria
Matt Barks – Vocal / Guitarra / Sintetizador
Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *