Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Porcupine Tree II


2000 – Lightbulb Sun

A capa é mais do que condizente com o nome do álbum, certo? Considero a faixa título uma das melhores letras do Porcupine Tree, se analisada a fundo, uma pessoa doente que tem que ficar na cama e o único “sol” que ela consegue enxergar e sentir é o artificial. A parte mais bizarra nas fotos tiradas por John Foxx? O verso do álbum simula como se fosse a mesma situação, mas vista por trás. Porém, como se tivesse dado um flip horizontal. Com certeza não foi falta de atenção, certo?

2002 – In Absentia

Mais uma que o título do álbum combina perfeitamente com a capa. Essa foto com certeza é um marco do Progressivo atual, o vazio e o desespero nessa expressão e nos olhos brancos retratados por Lasse Hoile chega a assombrar até. Incrível.

2005 – Deadwing

O álbum conceitual (cuja história é até um tanto quanto nebulosa, já que o próprio Steven Wilson nunca revelou muito – segundo ele, ainda quer fazer um filme sobre o disco) e um dos trabalhos mais respeitados no estilo, tem mais um belíssimo conjunto de fotos de Lasse Hoile, e até um tanto quanto difícil de ser compreendido. De qualquer forma, o clima meio Opeth, meio Nevermore pode causar pesadelos nos mais desavisados.

2007 – Fear Of A Blank Planet

O título que remete ao álbum do Public Enemy (“Fear Of A Black Planet”) é a base para o conceito criado por Steven Wilson aqui, focando na alienação do século XXI. O tema lírico é bastante influenciado pela obra “Lunar Park”, do autor Bret Easton Ellis, mas, ao contrário do livro, aonde a visão principal é do pai, no disco é contada pelos olhos do filho (o que explica a capa): um adolescente contemporâneo, sedentário, alienado social, com aqueles típicos problemas de bipolaridade, déficit de atenção e por aí vai.

2009 – The Incident

Não conceitual dessa vez, mas com um tema central que envolve eventos e incidentes coletados por Steven Wilson (sujeito via reportagens e elencava as “melhores” pare servir de tema). Várias fotos envolvem a mesma posição da capa, mas e aí, qual seria a idéia por trás?

Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Uma resposta para “Porcupine Tree II”

  1. Minea Nunes disse:

    As capas são bem legais mesmo. A do Fear of a Blank Planet sempre me chamou a atenção, sem contar que é um CD fuderoso! ^^

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *