Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

As melhores e as piores capas Progressivas de 2011


Que 2011 foi um álbum excelente para a música e com destaque absurdo para o Progressivo, ninguém tem dúvida. Mas além da parte musical, as bandas também tiveram um cuidado especial com o trabalho gráfico de seus álbuns, conseguindo chamar bastante atenção na estante abarrotada de lançamentos. Ao mesmo tempo, outras continuam insistindo em fazer desenhos clichês e sem graça nenhuma…

As 5 melhores:

5) Myrath – “Tales Of The Sands”

Os tunisianos do Myrath andam atraindo os olhares do público Metal e Prog nos últimos anos. Interessante que além do lado musical, as influências da sua cultura também estão estampadas diretamente nas capas e nos encartes. Esse disco tem tantas referências que você pode passar um bom tempo achando todas elas.

4) Opeth – “Heritage”

A capa mais fora da curva do Opeth é também feita pelo gênio Travis Smith, responsável por todos os outros trabalhos desde “Still Life” (o que comprova ainda mais o quão criativo é o sujeito). O estilo setentista cria a ambientação perfeita para o conteúdo espetacular do álbum.

3) Mastodon – “The Hunter”

 

Quem viu o vídeo da música “Black Tongue” pode presenciar toda a construção da escultura do boi maluco dessa capa. Não apenas a frente da edição especial é espetacular, como toda a embalagem e encarte tem um tratamento especial para o clima letárgico que o Mastodon está desenvolvendo.

2) Solus3 – “Corner Of The World”

Puramente progressivo. Sem mais.

1) Obscura – “Omnivium”

 

Uma das bandas mais técnicas do Death Metal atual, o Obscura sempre teve uma atenção deveras cuidadosa com a arte gráfica de seus álbuns. Todo o conceito das músicas e como se relacionam com a arte é inacreditavelmente combinado.

As 5 piores:

5) Dream Theater – “A Dramatic Turn Of Events”

Um título de álbum espetacular e uma capa decepcionante. Ainda mais agravado quando as capas fake que saíram antes eram infinitamente melhores que a oficial. Detalhe que a arte do encarte é muito superior à capa.

4) Devin Townsend Project – “Deconstruction”

Talvez Devin Townsend não seja o sujeito mais certo das idéias, mas convenhamos que a capa desse disco é a pior da carreira dele. Parece muito alguma pichação mal feita nos muros por aí.

3) Senogul – “III”

WTF.

2) Sean Filkins – “War And Peace And Other Stories”

Porque nada é mais Prog que uma camisa estampada, óculos vermelhos e um manequim de vestido na beira de um lago.

1) Eldberg – “Eldberg”

Entendemos que as vezes o orçamento da banda não é lá muito grande, certo? Mas lançar algo que mais parece uma lição que o seu filho de 4 anos desenhou com giz de cera na capa da sua banda não é uma idéia das mais sensatas.

 

Eaí, quais foram as melhores capas na opinião de vocês? E as piores? Concordam? Discordam? Deixem nos comentários!

Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Uma resposta para “As melhores e as piores capas Progressivas de 2011”

  1. Minea Nunes disse:

    Eu acho que deve ter piores que essa do Senogul e melhores que essa da árvore na ilha. o.o

    Sei lá, as outras eu concordo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *