Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Guia para fazer a sua própria capa Progressiva


A sua banda de Rock Progressivo talentosíssima está prestes a lançar a gravar o primeiro álbum/demo/ep/mp3 pra colocar no myspace e vocês não fazem idéia de como fazer uma capa a altura da qualidade da sua música? Nenhum membro sabe ao menos pintar uma elipse no paint? Eles nem ao menos sabem o que é uma elipse?

Nada temam. Com esse guia/tutorial/dicas valiosas de como montar a sua capa, não tem como errar e com certeza o seu trabalho não passará despercebido no meio da prateleira de discos progressivos com capas parecidíssimas com a sua.

– Cores: Misture tudo ou use apenas uma. Meio termo NÃO é aceitável!

O primeiro passo é você decidir qual as cores que você quer utilizar na capa. Mas saiba que se vai utilizar alguma em específico, use APENAS ela e todas dentro da sua escala cromática (você deve lembrar disso das aulas de artes). Caso tenha dúvidas, pegue algumas capas do Asia e se inspire. Se ainda assim não conseguir se decidir, pegue todos os potinhos de guache da sua irmãzinha e depois diga que é pra dar um toque psicodélico, e que quanto mais cores bizarras, melhor, vide as capas do Marillion. Ah sim, escala de cinza também NÃO é considerável, afinal de contas, vocês não são uma banda de Black Metal e muito menos o Opeth.

   

– Imagem: Desenhos são muito mais Progressivos do que fotos

O ideal é você pegar todos os potes de guache e depois dizer que a pintura foi feita em óleo sobre tela (lembre-se de manter a pintura original para leiloar anos mais tarde), mesmo que o resultado não fique tão bom. Principalmente porque ele ainda assim vai ficar mais Progressivo do que uma foto, afinal de contas, a realidade não é Prog o bastante e esse artifício só deve ser usado se você vai enfeitar a foto depois (de preferência pedindo para alguém fazer montagens no Photoshop pra você), já que Storm Thorgerson cobra muito caro e uma simples foto da banda é muito ridículo, vide “Love Beach”.

   

– Conteúdo da capa:

Sempre tenha certeza de que os elementos na capa tenham a ver com a história do disco (ele deve ser conceitual, essa não é uma opção) e ainda assim coloque sempre vários eastereggs que não façam sentido a princípio, mas podem se desdobrar em infinitos outros álbuns conceituais mais pra frente. Vamos lá:

a) Paisagens

Geralmente o fundo da capa, você DEVE optar sempre por uma dessas coisas: oceano, floresta, montanha, céu ou espaço sideral. Cidades são apenas consideráveis se o conceito do seu disco se passar em uma delas e se o personagem não é transportado para alguma dimensão paralela no seu decorrer.

       

b) Animais / seres místicos

O ideal é que você consiga inserir algum animal ou ser lendário na sua capa. Mas lembre-se que todo animal deve conter alguma característica bizarra que o difira da realidade. O único que se salva aí é a vaca, mas você não pode utilizá-la pois o Pink Floyd já fez isso, então pense em outro. Inserir gnomos, fadas e coisas desse tipo são aceitáveis, mas com cuidado para que não pensem que vocês são uma banda de Power Metal ou excessivamente pirilâmpicos. Caso tenha dúvidas, veja novamente as capas do Asia ou o Deus de todos: “Tarkus”.

 

 

c) Monumentos históricos / fantasiosos

Inserir pirâmides, estátuas famosas, maravilhas do mundo e castelos também são boa saída. Mas lembre-se que elas devem estar sempre no fundo da paisagem e de preferência com um brilho em volta. Monumentos geneticamente modificados também podem ser interessantes se forem o principal na capa, tenha certeza de que ele se funda com árvores, montanhas ou qualquer elemento da natureza na estrutura.

   

d) Planetas no céu

Tenha certeza também que o céu dessa paisagem deve ter várias luas, estrelas e planetas visíveis a olho nu. Isso passa a sensação de realidades alternativas ou planetas longínquos.

e) Realidades paradoxais

Apesar de ser uma alternativa barata, o resultado pode ser bom: coloque o seu personagem meio que “atravessando” de um lugar para outro que seja o extremo oposto do atual. Se restam dúvidas, veja a capa do “V” do Symphony X ou do “Awake” do Dream Theater. Nesses casos, a visão deve ser sempre como se quem olha a capa está atrás do personagem, lembrem-se disso.

   

f) Cenas absurdas e reflexivas

Você pode apostar também em criar algo que saia totalmente do óbvio, por exemplo centenas de camas em uma praia ou um jardim de lâmpadas. Mas isso exigiria relação com o conceito do seu disco e criatividade extra.

        

– Logo: não essencial

Você deve estar se perguntando: mas e o logo da minha banda? Pois bem, ele pode ser necessário eventualmente, mas não obrigatoriamente, afinal de contas, a sua capa tem que ser genial e com característica própria para que todos saibam que é um produto da sua banda. Portanto, não perca muito tempo fazendo algo mirabolante. Entre em algum site de fontes grátis e escolha o mais bonito. Se você não criar esse vínculo, pode mudar sempre que quiser, vide o Pink Floyd.

 

Para encerrar, não queira ser revolucionário: você não precisa lançar uma embalagem como “Thick As A Brick” ou apostar em algo que seja tão simplista que caia na falta de sentido. Mas tenha em mente que eventualmente a sua banda terá que fazer algo do tipo, então por ora, é só seguir essas dicas e ser progger to the bone (ou se basear malandramente nas capas desse texto).

(Sim, admito que não sabia sobre qual banda fazer a coluna de hoje, então achei mais divertido escrever algo desse tipo)

Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Uma resposta para “Guia para fazer a sua própria capa Progressiva”

  1. Leonardo disse:

    Todas essas dicas são muito importantes, mas vocês esqueceram da dica principal: tomar muita LSD!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *