Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Fluxious – “Why So Serious?”


Não importa qual seja a qualidade de uma banda, se ela é nova no cenário, (a não ser que ela tenha bons contatos) a chance de conseguir interesse da mídia é muito difícil, um dos motivos é que essa banda será sempre comparada com os maiores expoentes do mesmo gênero. Mas no caso do Fluxious, banda formada em 2009, é um desafio e tanto encontrar bandas que fazem um som parecido, a grande sacada foi essa, toda a estrutura da banda é algo que no resultado final podemos dizer que seja algo inédito.

A sonoridade que mais o encaixam é o Metal Progressivo, com muita pitadas de jazz. Isso nos faz parecer como uma banda bastante complexa. Mas aí adicionamos vocais femininos no maior estilo de cantoras pop, músicas de curta duração e totalmente agradáveis de se ouvir. Mas então que diabos é isso?! Parabéns, Fluxious, você conseguiu chamar a minha atenção!

É com essa confusão de estilos que a banda apresenta seu debut “Why So Serious?”. “Point of View” abre o álbum com a intensão de algo pesado mas nem tanto, com uma boa pegada fusion, não vemos nenhum tipo de abuso de técnica, a magia está na facilidade de conseguir unir, encaixar estilos diferentes dentro de um só. “Reaching Nowhere” consegue ser ainda mais diferenciada, com solos mais estruturados e uma pegada de baixo interessante, porém ainda é uma música acessível, agradável a primeira ouvida.

“Inside” e “Voodoo Mood” são canções energéticas e como sempre com surpresas escondidas. “Huging” tem a primeira amostra de guitarras bem distorcidas, lembrando bastante Dream Theater, mas isso dura pouco pois a música logo é levada pela estrutura jazzística, levadas gostosas com a voz de Joana Desfosses sempre no comando, então quando menos se espera um solo totalmente progressivo dá fim a música, essa é uma faixa realmente surpreendente, em apenas 4 minutos temos uma vastidão de conteúdo.

Mais surpreendente ainda é “Games’N’Trials”, 3 minutos e uma atuação vocal de dar inveja em muitas cantoras por aí, e uma atuação no baixo deixando a música bem “funkeada”, outro ponto positivo para o Fluxious. “Biatch” dá uma acalmada nos nervos até a metade onde depois disso a criatividade rola solta. É incrível a vastidão de influências calcadas no álbum, até a faixa “Unfair To You” podemos ouvir um pouco Dream Theater, Red Hot Chili Peppers, The Mars Volta, Frank Zappa, bandas de heavy metal e de rock alternativo.

As últimas três músicas são um apanhado de tudo o que foi o álbum: o complexo e o acessível, o Prog e o Pop, o Metal e o Jazz adicionado aos riffs bem groovy. Bata tudo isso no liquidificador e temos este álbum. Eu particularmente me interesso muito por junções de estilos, junções que na maioria das vezes soam totalmente desagradáveis e sem uma lógica. O Fluxious não se encaixa nisso, sua fórmula deu mais do que certo e já é uma das maiores surpresas do ano de 2011.

Why So Serious? Fluxious

1234

Tracklist

01. Point Of View
02. Reaching Nowhere
03. Inside
04. Voodoo Mood
05. Huging
06. Sinner
07. Games'n'trials
08. Biatch
09. Unfair To You
10. True
11. What A Waste
12. It Belongs To You

Lineup

Joana Desfosses: Vocais
Maxence Sibille: Bateria
Guillaume Giazzi: Baixo
Germain Aubert: Guitarra
Andrew Rosario

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *