Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Neo Partus “Deixados Para Trás” 2013 #012


The Venetia Fair – Every Sick, Disgusting Thought We’ve Got In Our Brain

Outra banda de post hardcore que definitivamente tenta fugir dos meios mais comuns do estilo, o The Venetia Fair mostra em Every Sick…  uma sonoridade que se aproxima em muito do new prog e do avant garde metal, com um interessante trabalho de cordas e instrumentos de sopro, dando um caráter extremamente teatral às suas músicas.Altamente, mas altamente indicado.

01. Too Late To Dream
02. The Day I Set Them Free
03. (I) We Used To Worship The Moon
04. Pride Alone Won’t Put This Fire Out
05. (II) The Dirt Won’t Keep Your Secrets
06. Only In The Morning
07. Bleeding A Stone
08. The Sky Came Down
09. (III) Go On, Paint Me A Picture
10. (IV) The Saints Of Gomorrah
11. (V) You Never Looked Like This
12. Puking Platitudes
13. (VI) I Could End My Search Tonight

Benny Santoro – vocal
Chris Constantino – bateria
Mr. Chark – baixo
Joe Occhiuti – teclado
Mike Abiuso – baixo

Nota 4,5/5

————————————————————————————————————————————

Thieves Kitchen – One For Sorrow, Two For Joy

Iniciado como um projeto do guitarrista Phil Mercy, se o som do Thieves Kitchen pudesse ser resumido em apenas uma palavra, seria “dinâmico”. Definitivamente, ao longo dos seus cinco discos de estúdio, sendo One For Sorrow, Two For Joy o mais recente, o grupo viajou tranquilamente por passagens de folk, jazz, symphonic rock, dando um aspecto bem eclético ao seu rock progressivo. Não bastassem os ótimos vocais melódicos da vocalista Amy Darby, a banda ainda conta com o tecladista Tomas Johnson, que também faz parte do Änglagård. Sintam-se convencidos.

01. One for Sorrow, Two for Joy
02. Deor
03. Hypatia
04. A Fool’s Journey
05. Germander Speedwell
06. The Weaver
07. Of Sparks and Spires

Amy Darby – vocal
Phil Mercy – guitarra
Thomas Johnson – teclado

Paul Mallyon – bateria
Brad Waissman – baixo
Anna Holmgren – flauta

Nota 3,5/5

————————————————————————————————————————————

This Misery Garden – Cornerstone

TMG

Mais um nome que não soa exatamente como “progressivo” nos termos mais subentendidos como o padrão, os suíços do This Misery Garden acabam por seguir uma linha mais próxima do Evergrey, agregando ainda algo que pode ter vindo do Katatonia, embora o resultado final não se assemelhe a nenhum dos dois. Carregado de emoção e ritmos cadenciados, e um tanto quanto diferente do usual, Cornerstone definitivamente pode figurar na lista de destaques de 2013 na lista de muita gente.

01. Human – ET
02. Holy Clutch
03. Angry Child
04. Mr X (Was Right)
05. Rope
06. Siamese again
07. Crowded Hallway
08. Warning Zone
09. The First Man.
10. Death Head Colors
11. Swallowing the monster
12. Flower Eye Tree

Steve – vocal
Laurent M. – guitarra
Antoine – guitarra
Jay – baixo
Stephan – bateria

Nota 4/5

————————————————————————————————————————————

Verbal Delirium – From The Small Hours Of Weakness

Formado em 1999, o Verbal Delirium, banda formada pelo tecladista grego John Kosmidis, foi lancer o seu álbum de estreia apenas em 2010, por conta das incessantes trocas em sua formação. From The Small Hours Of Weakness, o segundo trabalho vai ainda mais longe em todo o ecletismo musical do primeiro álbum, trazendo elementos psicodélicos, folk, tornando a experiência muito além dos caminhos mais atmosféricos do rock progressivo, aonde as linhas e texturas de teclado evidentemente são os personagens principais. Mais um trabalho que merece muitas audições cuidadosas.

01. 10.000 Roses
02. Desire
03. Erebus
04. Dance Of The Dead
05. The Losing Game
06. Disintegration
07. Dance Of The Dead Reprise
08. Sudden Winter
09. Aeons

Jargon – piano / sintetizador / vocal
Nikitas Kissonas – guitarra
Enthralling Kernel G – bateria
La Trappe – baixo
Leonidas Petropoulos – baixo
Labros Matopoulos – trompete
Anastasis Hamilakis – teclado
Nikos Nikolopoulos – flauta / saxofone

Nota 4/5

————————————————————————————————————————————

E assim encerramos a seção de discos deixados para trás, pelo menos por enquanto. Com certeza, muitos outros ficaram de fora, então se sintam a vontade de deixar nos comentários outros que mereçam uma audição cuidadosa e podem ter passado batido nestes primeiros quatro meses do ano. Lembrando que muitas bandas acabaram rolando também nos nossos episódios de Balanços (semi)Bimestrais, confiram.

Até daqui alguns meses.

Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *