Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

“Deixados Para Trás” 2013 #004


Faith – Decades of Despair

Apesar de Decades of Despair ser apenas o quarto álbum do Faith, a banda sueca na realidade foi originalmente formada em um distante 1984, ainda sob o nome de Stormbringer. Nessa época, o som praticado pelo grupo era puramente doom metal (lembrando que o Candlemass também estava se formando, não muito longe dali), e, apesar de não ter sofrido uma drástica mudança no direcionamento ao longo de quase três décadas de idas e vindas, o Faith soube incluir elementos de rock progressivo e folk à sua música, dando uma tonalidade árcade bem interessante. E nota-se a experiência dos músicos na construções das composições, que apesar de relativamente longas (nada fora da normalidade doom metal), conseguem prender a atenção de forma extremamente agradável ao longo dos mais de setenta minutos de álbum, que encerra com uma versão para a clássica What A Wonderful World.

01. Decades of Despair
02. Iscariot
03. Hwila
04. Boeves Psalm
05. Ashes to Ashes (1:23:45)
06. Hollow
07. Marion Crane
08. Stums Polska
09. Codex Dei
10. What A Wonderful World

Christer Nilsson – vocal / baixo
Roger Johansson – guitarra
Peter Svensson – bacteria

Anders Smedenmark – nyckelharpa
Hakan Malmros – violin

Nota 4/5

————————————————————————————————————————————

Fire! Orchestra – Exit!

Temos aqui o encontro dos músicos Johan Berthling (Tape), Mats Gustafsson (The Thing) e Andreas Werliin (Wildbirds & Peacedrums), acompanhados de uma orquestra de jazz sueca e vários outros convidados especiais, perante uma plateia. O resultado? Bem… o resultado… não tem como ser explicado em palavras. E é algo que venho tentando há meses.

01. Exit! Part One
02. Exit! Part Two

Nota 3/5

————————————————————————————————————————————

Föllakzoid – II

Follakzoid

Com apenas alguns anos de estrada, o Föllakzoid é formado por quatro amigos chilenos que acreditam que a América do Sul possui uma força gravitacional, que permite a comunicação com outros lugares, tempos e dimensões. Loucuras (ou não) à parte, o segundo álbum da banda, simplesmente intitulado “II” dá continuidade à exploração psicodélica iniciada no trabalho de estreia, com músicas prioritariamente instrumentais, carregadas de efeitos eletrônicos e ritmos incessantes, puxada fortemente do krautrock no melhor estilo “infinitas jornadas de alemães pouco sóbrios dentro de um estúdio com seus sintetizadores”.

01. Trees
02. 9
03. Rio
04. 99
05. Pulsar

Juan Pablo – vocal / baixo
Diego – bateria
Alfredo – sintetizadores
Domingo – guitarra

Nota 2,5/5

————————————————————————————————————————————

Hellhaven – Beyond the Frontier

Mais um resultado da interessante cena musical polonesa, que nos últimos anos tem revelado uma série de novos nomes ligados ao rock progressivo (e congêneres), não se limitando às bandas de metal extremo que se popularizaram durante a década passada. Apesar das controvérsias, o Hellhaven divide-se em caminhos entre o heavy prog e o prog metal (com fortes tendências para o segundo), inclusive apostando na versatilidade instrumental e vocal, com notáveis resultados para uma banda relativamente nova. Apesar de surgir em um estilo praticamente estagnado, os poloneses conseguem criar uma sonoridade que nos fazem voltar a nossa atenção mais uma vez para o Leste Europeu, e manter os ouvidos abertos para o que está acontecendo ali.

01. Beyond the Frontier
02. Hesitation
03. Traum of Mr Twain Part 1
04. Traum of Mr Twain Part 2
05. About Reading and Writing
06. Perikarion
07. Paper Swan
08. Beyond the Frontier Part 2

Sebastian Najder – vocal
Jakub Węgrzyn – guitarra / sintetizador / teclado
Maciej Dunin-Borkowski – guitarra
Marcin Jaśkowiec – baixo
Konrad Wójtowicz – bateria

Nota 4/5

————————————————————————————————————————————

Humano – Humano

Conforme consta nas páginas oficiais, o Humano é um projeto do músico argentino Gabriel de Humano, e o disco auto intitulado foi inteiramente gravado em um home-studio durante seis meses. O resultado, é uma obra relativamente precária em questão de produção, e não é possível saber ao certo quais instrumentos foram realmente gravados e quais foram simulados. Porém, as ideias apresentadas são bem interessantes, uma espécie de black metal com toques experimentais, atmosféricos e teatrais, chegando a lembrar os bons momentos do King Diamond em determinados trechos, tendo como pano de fundo, letras correlacionados pelo tema “ser humano”.

01. Guerra Mundial
02. Humano, Nunca Más
03. De Los Tiempos Sin Tiempo
04. La Noche Cósmica
05. Las Bestias Del Cielo
06. El Nacimiento Del Mundo
07. Encadenado
08. El Hijo Del Hombre
09. La Cosecha Del Hombre
10. Nada es Nada

Nota 2,5/5

Rroio

Viking oriental colecionador de discos, músico frustrado e um eterno incansável explorador dos mais obscuros confins do mundo da música.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *