Progcast - Sua Dose Semanal de Rock Progressivo

Beardfish – “Mammoth”


O Beardfish é mais uma das bandas que fazem um som moderno com um pé nos anos 70. Hoje em dia essa onda de resgatar o passado está ficando cada vez mais presente com bandas como os Flower Kings, Spock’s Beard e Phideaux. Beardfish é mais uma delas, mesmo que mais recente, é uma das que mais recebem prestígio dos críticos e dos amantes do Rock Progressivo com seus álbuns de alto nível.

Mammoth é o novo álbum da banda que começa muito bem já com a capa com o representante pré-histórico num desenho estilo cartoon, interessantíssimo.Podemos dizer que esse novo trabalho fez com que o Beardfish explorasse vários ramos da música para no fim completar um disco totalmente favorável.

Começamos com a primeira música “The Platform” que já mostra um som bem agradável, cheio de tons que sobem e descem, passando por solos bem pesados e partes que nos pegam de primeira. “And The Stone Said: If I Could Speak”é o grande épico do disco que já se inicia com o riff prevalecente o alternando entre guitarras e teclados, logo mais o Sax vai ganhando espaço também na melodia e então descobrimos uma esfera musical para nenhum Old Progger botar defeito, há um excesso de calmaria e então é a vez do vocal tomar posse alternando em momentos surpreendentes com uma pegada bem jazz. É uma música completa, com tudo que o Beardfish e o Prog tem a oferecer, partes pesadas, leves, um baixo pulsante e solos no maior estilo RickWakeman. São 15 minutos de pura experimentação e principalmente qualidade.

A partir da terceira música é que notamos a grande variedade de estilos utilizados até o fim. “Tightrope” não é nada mais que um Folk Progressivo, podemos destacar a extrema semelhança com a banda Fleet Foxes, tanto pela instrumentação mais acústica, característica do estilo como também pela forma de Rikard Sjöblom cantar, idêntica ao de Robin Pecknold, vocalista do Fleet Foxes. Para os que se assustaram, logo em seguida terão “Green Waves”, um típico blues bem pesado e que com o tempo vai ganhando corpo e progressividade, ao longo de seus quase 9 minutosé possível encontrar vários destaques. Outro ponto para o Beardfish.

“Outside / Inside” tem a missão de trazer um clima de antiguidade, tocada no piano, parece ter sido retirada diretamente de um filme, uma introdução maravilhosa. “Akakabotu” (nome bem atípico) traz o que melhor demonstra tudo isso, ela é a faixa que pode facilmente ser mostrada pra quem nunca ouviu a banda, um instrumental incrível, com um pé nas bandas de 70, lembrando principalmente o Gentle Giant. Mais uma vez o Sax tem grande destaque.

O álbum termina com “Without Saying Anything (feat. Ventriloquist)”, talvez ela poderia ser um pouco mais épica para terminar o álbum. Não que seja ruim, mas definitivamente não combina nem um pouco para uma faixa de encerramento.

O Beardfish mostrou uma coesão incrível em sua discografia com seu sexto álbum de estúdio. Pode não ser o melhor mas será com certeza um disco importantíssimo para todos que queiram descobrir o som desses suecos, donos do posto de uma das melhores bandas que resgatam o bom e velho Rock Progressivo.

Mammoth Beardfish

1234

Tracklist

1. The Platform
2.And The Stone Said: If I Could Speak
3. Tightrope
4. Green Waves
5. Outside / Inside
6. Akakabotu
7. Without Saying Anything (feat. Ventriloquist)

Lineup

Rikard Sjöblom - Vocal / Teclado
David Zackrisson - Guitarra
Robert Hansen - Baixo
Magnus Östgren - Bateria
Andrew Rosario

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *